Correa tem ampla vantagem em eleição do Equador, diz pesquisa

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Atual presidente equatoriano e candidato a reeleição tem 62% das intenções de voto, contra 9% do principal opositor, Guillermo Lasso

Reuters

O presidente do Equador, Rafael Correa, manteve uma grande liderança sobre seu adversário mais próximo para a eleição de 17 de fevereiro, mostrou uma pesquisa na quinta-feira (7). A popularidade de Correa permaneceu acima dos 50% ao longo dos seis anos de governo do líder de esquerda, incentivada por seu carisma e também pelos investimos pesados em saúde, estradas e escolas.

Essa semana: Evento da campanha de Correa termina com dois mortos no Equador

AP
Presidente do Equador e candidato à reeleição, Rafael Correa, cumprimenta partidários em Quito, Equador (29/1/2013)


Eleição: Rafael Correa e mais sete candidatos iniciam campanha  no Equador

O principal candidato de oposição, Guillermo Lasso tentou conquistar os eleitores com promessas de cortes de impostos. Lasso, um ex-banqueiro, ganhou apoio de alguns da classe média, mas não conseguiu convencer outros desapontados com Correa.

Uma pesquisa divulgada na quinta-feira pelo conceituado instituto Perfiles de Opinion mostrou Correa com quase 62% das intenções de voto, ante 9% para Lasso.

Saiba mais: Equador revive conflito sobre exploração de petróleo na Amazônia

Leia também: Correa proíbe ministros de dar entrevistas à imprensa 'indecente'

"Os candidatos (de oposição) não conseguiram levar em frente propostas atrativas de campanha para enfrentar os altos índices de popularidade do presidente", disse Paulina Recalde, chefe do Perfiles de Opinion.

Correa também parece estar tirando proveito de uma oposição fragmentada - sete candidatos estão desafiando o presidente na eleição -, e o partido do governo deve conquistar também a maioria do Congresso.

Críticos de Correa dizem que o presidente do país exportador de petróleo, que tem 15 milhões de habitantes, não conseguiu enfrentar o crime e enfraqueceu o setor privado ao aumentar impostos e afastar empresas estrangeiras.

Mas a economia está crescendo, e Correa levou estabilidade a um país onde protestos populares derrubaram três presidentes na década anterior a sua chegada ao poder.

Leia tudo sobre: equadorcorrearafael correiaeleição no equadorlasso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas