Ataques contra militantes da Al-Qaeda no Iêmen eram coordenados a partir dessa base; Anwar al-Awlaki, clérigo nascido nos EUA, foi morto a partir da instalação

Uma base secreta para aviões não-tripulados operada pela Agência Central de Inteligência (CIA) americana foi descoberta na Arábia Saudita. Segundo revelou o jornal The New York Times, a base tem sido utilizada há dois anos e foi ponto de partida do drone que matou Anwar al-Awlaki , clérigo ligado à Al-Qaeda e nascido nos EUA.

Em 2011: Clérigo ligado à Al-Qaeda e nascido nos EUA é morto no Iêmen

Entenda: Saiba mais sobre a Al-Qaeda da Península Arábica

Drone americano sobrevoa céu paquistanês (foto de arquivo)
AP
Drone americano sobrevoa céu paquistanês (foto de arquivo)


Leia também: Obama anuncia nomes polêmicos para chefia do Pentágono e da CIA

A instalação foi montada para caçar membros da Al-Qaeda na Península Árabica , cuja base está no Iêmen. Autoridades do alto escalão do governo americano se disseram preocupados, pois a descoberta da base pode prejudicar suas operações contra a rede terrorista.

O Exército americano tirou praticamente todas suas tropas da Arábia Saudita em 2003, após ter deixado entre 5 mil e 10 mil soldados no reino após a Guerra do Golfo (1990-1991). Somente integrantes da Missão de Treinamento Militar dos EUA oficialmente continuam no país.

A localização da base secreta de drones não foi revelada nos registros americanos e o governo saudita não teceu qualquer comentário, segundo a rede britânica BBC. Entretanto, a construção da instalação foi ordenada em dezembro de 2009, após um ataque com mísseis no Iêmen. Foi o primeiro ataque ordenado pelo governo Obama e teve um final desastroso, com dezenas de civis, incluindo mulheres e crianças, mortos.

De acordo com autoridades dos EUA que falaram ao The New York Times, a primeira vez que a CIA utilizou a base foi para matar Awlaki. Desde então, a agência vem ordenando ataques letais contra membros da Al-Qaeda no Iêmen.

Outros três americanos, incluindo o filho de 16 anos de Awlaki, foram mortos em ataques desse tipo no Iêmen, que podem supostamente serem conduzidos sem autorização do governo do país.

Segundo o jornal The Washington Post, o então conselheiro antiterrorismo da Casa Branca e atual diretor da CIA, John Brennan, teve um papel importante nas negociações com o governo saudita para construir a base.

Com BBC e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.