França atinge bases de extremistas islâmicos no norte do Mali

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Aviões Mirage e Rafale tiveram como alvo campos de treinamento e depósitos de combustíveis; segundo chanceler, extremistas não poderão resistir por muito tempo

Novos bombardeios franceses atingiram depósitos de combustíveis e bases de extremistas islâmicos na região norte de Mali na noite de domingo (3). O chanceler Laurent Fabius disse à rádio France-Inter que os ataques aéreos, com o objetivo de bloquear rotas, alcançaram a região de Kidal, perto da fronteira com a Argélia, pela segunda noite consecutiva.

Presidente: Hollande diz que forças ficarão no Mali até soberania ser restaurada

Em Timbuktu: Presidente da França chega ao Mali para visita de um dia

AP
Moradores lotam uma caminhonete com produtos ao chegar na fronteira do Níger ao sul de Timbuktu, Mali


Segundo Fabius, os extremistas "não poderão ficar lá por muito tempo a não ser que tenham maneiras de receber novos suprimentos". Kidal é a única cidade importante do país sob o controle das forças da França e do Mali.

Os aviões Mirage e Rafale também tiveram como alvos campos de treinamento, depósitos de armas e combustíveis durante o sábado a noite até as primeiras horas do domingo no norte da cidade de Kidal e na região de Tessalit.

A intervenção militar da França no Mali começou no dia 11 de janeiro com o objetivo de conter o avanço dos militantes aliados da rede Al-Qaeda que controlam o país africano e submete sua população a regras rígidas.

Coalizão: França apoia possível força de paz da ONU no Mali

Dilma Rousseff: Intervenção no Mali não pode reavivar 'tentações coloniais'

Após a retirada dos extremistas de cidades mais importantes, a França agora faz pressão para que esses grupos entreguem o controle para uma coalizão africana autorizada pela ONU e composta por centenas de soldados de países vizinhos. "Nas cidades em que estamos controlando, queremos ser rápidos na substituição pelas forças africanas", disse Fabius nesta segunda.

Questionado se a França poderia deixar a cidade de Timbuktu e entregá-la aos africanos ainda na terça-feira, Fabius respondeu: "Sim, isso poderia acontecer muito rápido. Estamos trabalhando nisso, porque nossa vocação não é permanecer por muito tempo."

Entretanto, ainda não se sabe se as forças africanas, muito menos o fraco Exército de Mali, estão preparadas para arcar com a responsabilidade do comando sem o auxílio das tropas, aviões e helicópteros franceses caso os extremistas tentem retomar o controle do país a partir de seus redutos no deserto.

Um total de 3,5 mil tropas francesas estão atualmente no Mali a aproximadamente 2 mil soldados do Chade e do Níger ajudam o país a consolidar seus ganhos recentes contra os extremistas.

Com AP e BBC

Leia tudo sobre: malifrançafabiusintervençãokidal

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas