Líder democrata no Senado dos EUA prevê aprovação de reforma migratória

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Declaração é feita dias após presidente Obama instigar Congresso a aprovar nova legislação para acelerar concessão de cidadania a milhões de ilegais que vivem nos EUA

Reuters

O líder da bancada democrata no Senado dos Estados Unidos, Harry Reid, previu neste domingo que o Congresso aprovará e enviará para o presidente Barack Obama a revisão da legislação do país sobre imigração ao declarar que "as coisas parecem estar realmente boas".

Na semana passada, Obama expressou a esperança de que o Congresso possa chegar a um acordo sobre a imigração, possivelmente ainda no primeiro semestre.

Dia 29: Obama pressiona Congresso por imigração, mas deve enfrentar divisões

AP
Líder da maioria no Senado, Harry Reid (centro) discursa no Capitólio, Washington (foto de arquivo)

Proposta: Senadores condicionam reforma migratória a maior controle de fronteiras

O presidente propôs conceder aos cerca de 11 milhões de imigrantes ilegais dos EUA - na maioria hispânicos - um meio de obter a cidadania, medida que antes era combatida por muitos republicanos. O Partido Democrata, de Obama, tem maioria no Senado e os republicanos controlam a Câmara dos Deputados.

Durante entrevista ao programa "This Week", da TV ABC, perguntaram a Reid se a legislação da imigração poderá ser aprovada na Câmara. "Bem, certamente vai passar no Senado. Seria um dia ruim para o nosso país e um dia ruim para o Partido Republicano se eles continuarem no caminho. Portanto, a resposta é sim", disse Reid.

Mais quatro anos: Obama enfrenta 'maldição' do segundo mandato

Infográfico: Relembre os primeiros quatro anos de Obama no poder

Na terça-feira Obama escolheu o Estado de Reid, Nevada, que tem uma grande população hispânica, como o local de um importante discurso no qual instigou o Congresso a aprovar a nova legislação de imigração.

Nas eleições presidenciais, em novembro, os hispânicos foram cruciais para ajudar Obama a derrotar em Nevada o candidato republicano, Mitt Romney - que defendia a "autodeportação" dos imigrantes ilegais.

"Isso tem de ser feito", disse Reid, referindo-se à legislação sobre imigração. "É muito fácil redigir princípios. Mas redigir leis é muito mais difícil. E uma vez que temos a legislação pronta, então é preciso aprová-la. Mas acho que as coisas parecem estar realmente boas."

Depois de anos de lentidão, a reforma da imigração de repente parece possível, já que os republicanos, prejudicados nas eleições de novembro pelo fato de que mais de 70% dos eleitores hispânicos apoiaram Obama, parecem mais dispostos a aceitar uma revisão da lei.

Demografia: Mudança em eleitorado dos EUA preocupa republicanos

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre a imigração nos EUA

Obama tem pressionado por uma forma de concessão de cidadania aos imigrantes ilegais que já estão nos EUA de um modo mais rápido do que o previsto em uma proposta de um grupo bipartidário, formado por oito influentes senadores.

Em vez de enfatizar a questão da segurança na fronteira, Obama defende que os imigrantes ilegais obtenham a cidadania se forem aprovados nas averiguações de segurança nacional e antecedentes criminais, pagarem as multas, aprenderem inglês e entrarem na fila atrás dos estrangeiros que procuram imigrar legalmente.

Junho: EUA impedirão deportação de jovens imigrantes ilegais

O plano bipartidário do Senado prevê medidas para endurecer a segurança na fronteira dos EUA com o México antes de pôr em prática as ações para conceder status legal aos imigrantes em situação irregular.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas