Suposto atirador do Arizona é achado morto; polícia vê suicídio

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Arthur Harmon, de 70 anos, era suspeito de ter atirado durante uma reunião de mediação judicial, matando um executivo e ferindo gravemente um advogado

Reuters

AP
Grupo da SWAT se prepara para entrar na casa do suspeito de ter atirado dentro de um prédio comercial em Phoenix, no Arizona, na quarta-feira (30/01)

Um homem suspeito de ter matado uma pessoa e ferido outra na quarta-feira (30) no Arizona (EUA) foi achado morto na quinta-feira (31), aparentemente por suicídio, segundo a polícia.

Arthur Douglas Harmon, de 70 anos, era suspeito de ter feito disparos em um prédio de escritórios no centro de Phoenix, onde havia participado de uma reunião de mediação judicial, disse a polícia.

As autoridades disseram que Harmon foi encontrado morto no subúrbio de Mesa, com uma pistola próxima ao corpo.

Leia:
Obama busca apoio de policiais para combate às armas
Obama anuncia pacote de US$ 500 milhões contra violência armada
Congresso não aprovará proibição a armas de assalto, diz lobby dos EUA

O incidente da quarta-feira resultou na morte de Steve Singer, 48 anos, executivo-chefe da empresa Fusion Contact Centers, um "call-center" de Scottsdale. Mark Hummels, de 43 anos, presidente da seção local da Ordem Americana dos Advogados, ficou gravemente ferido, e seu escritório disse que ele "não irá sobreviver".

O ataque ocorre num momento de acalorado debate nos EUA sobre o controle das armas de fogo, especialmente em escolas, depois que um jovem fortemente armado matou 20 crianças e 6 adultos em dezembro numa escola primária de Connnecticut.

O noticiário sobre o caso do Arizona dá conta de que Harmon havia movido uma ação contra a empresa de Singer. Um porta-voz policial disse que aparentemente ele ficou frustrado com o resultado da audiência de conciliação, e por isso baleou os dois homens.

Leia tudo sobre: arizonatiroteioviolência

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas