França apoia possível força de paz da ONU no Mali

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Conselho de Segurança começará a discutir a possibilidade de destacar tropas da ONU ao país depois de França ter lançado intervenção militar para combater radicais islâmicos

Reuters

O ministro da Defesa da França, Jean-Yves Le Drian, expressou apoio nesta quinta-feira à ideia de enviar forças de paz da ONU ao Mali, afirmando que a França poderia participar em um plano desse tipo.

Quarta: França captura aeroporto no último reduto de radicais islâmicos no norte do Mali

Reuters
Soldados do Chade seguram suas armas no aeroporto recentemente recuperado da cidade de Gao, no Mali (28/01)

Ajuda: Reino Unido enviará soldados em apoio à campanha militar da França no Mali

O Conselho de Segurança da ONU começará a discutir a possibilidade de destacar tropas da ONU ao país africano, disseram enviados em referência a uma ideia que anteriormente causou desconforto depois da recente intervenção militar da França no país.

As forças francesas tomaram controle na quarta do aeroporto de Kidal e da própria cidade, a última dominada por rebeldes ligados à Al-Qaeda, e planejam transferir logo o controle da missão militar a uma força de países africanos, cuja tarefa será dispersar insurgentes de seus redutos.

Terrorismo: Al-Qaeda esculpe em cavernas e no subterrâneo seu próprio país no Mali

Os soldados franceses e do Mali também recapturaram em dias recentes Timbuktu e Gao, duas outras capitais provinciais, e foram recebidos por multidões em júbilo.

Enviados da ONU têm dito que o envio de uma força de paz ofereceria vantagens claras sobre uma força liderada por nações africanas, uma vez que seria mais fácil monitorar o respeito a direitos humanos e a ONU poderia escolher a nacionalidade dos contingentes a serem usados na força.

Saiba mais: Entenda os interesses da França no Mali

Análise: Terrorismo em Mali deixa França sem saída fácil de conflito

A França já destacou cerca de 4,5 mil soldados para a ofensiva que dura três semanas, destinada a combater o controle de islamistas em cidades no norte do Mali, há quase dez meses.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: malifrançaonuterrorismoal qaeda

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas