Criança é mantida refém pelo terceiro dia após tiroteio no Alabama

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Menino sequestrado sofre de síndrome de Asperger e déficit de atenção, e foi levado após o suspeito matar o motorista de um ônibus escolar

Reuters

AP
Policiais cercam casa de suspeito de tiroteio e sequestro de um menino em Midland City, na noite de quarta (30/01)

Um homem acusado de matar o motorista de um ônibus escolar e levar um menino como refém para um porão fortificado abastecido com alimentos e energia permanece cercado pelo terceiro dia nesta quinta-feira (31) no Alabama, Estados Unidos.

As autoridades evitam comentar a situação na pequena localidade de Midland City, no canto sudeste do Alabama.

Agentes municipais, estaduais e federais estão acampados perto do refúgio do sequestrador desde terça-feira, quando, segundo a polícia, um homem armado exigiu que um aluno descesse de um ônibus que transportava mais de 20 crianças da escola para suas casas.

Nesta quinta-feira:
Suposto atirador do Arizona é achado morto; polícia vê suicídio
Novo tiroteio nos EUA deixa pela menos 1 ferido em Atlanta 

O motorista do ônibus, Charles Albert Poland Jr., de 66 anos, se recusou a liberar o menino e levou vários tiros. O assassino fugiu do local com a criança, que está na pré-escola, segundo a polícia.

Nesta quinta-feira, o homem completou dois dias entrincheirado com o menino na sua propriedade rural.

"Os negociadores ainda estão se comunicando com o suspeito", disse o porta-voz do Departamento de Segurança Pública do Alabama, Robyn Bradley Litchfield.

O homicídio seguido de sequestro ocorreu num momento de acalorado debate no país sobre o controle das armas de fogo, especialmente em escolas, depois que um jovem fortemente armado matou 20 crianças e 6 adultos em dezembro numa escola primária de Connnecticut.

As autoridades não divulgaram oficialmente os nomes do suposto atirador nem da criança, que eles acreditam estar ilesa.

Um parlamentar do Alabama, o deputado Steve Clouse, disse a jornalistas que o menino sofre da síndrome de Asperger (um tipo de autismo) e do déficit de atenção com hiperatividade, mas que pôde continuar recebendo medicação durante o cativeiro.

Um funcionário da escola disse que o menino parece ter sido escolhido aleatoriamente, mas a polícia não confirmou se o suspeito e o refém se conhecem.

Vizinhos identificaram o homem como sendo Jimmy Lee Dykes, de 65 anos, e disseram que nos últimos dois anos ele foi visto escavando seu quintal e carregando uma espingarda.

Leia: Obama busca apoio de policiais para combate às armas 

Ronda Wilbur, que mora em frente ao suspeito, se referiu a ele como um "homem malvado" e se queixou de que ele havia matado a golpes de cano o cachorro da família de Wilbur, indo depois se gabar com o marido dela.

Dykes foi detido no mês passado por fazer ameaças a outro vizinho, segundo registros judiciais, e deveria ser julgado na quarta-feira.

O vizinho, James Edward Davis, disse à CNN que o caso aconteceu em 10 de dezembro, quando Dykes teria apontado uma arma para ele e sua filha pequena.

Davis disse que Dykes estava irritado por que achava que Davis havia entrado na sua propriedade. Dykes fez dois disparos, e Davis acelerou o carro, segundo seu relato.

O pastor Michael Senn disse que Dykes aparentemente equipou seu bunker com uma TV e mantimentos para duas ou três semanas. "Estamos encorajando todos neste país a se unir e rezar pela segurança, proteção e rápida libertação dessa criança", disse Senn.

Leia tudo sobre: estados unidosviolênciasequestroalabama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas