Netanyahu vence eleição em Israel, mas bancada encolhe, diz boca de urna

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

O Likud, partido do primeiro-ministro, perdeu 11 vagas na câmara de deputados israelense, enquanto a oposição de centro-esquerda ficou em segundo lugar, segundo pesquisas

Reuters

Reuters

AP
Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, vota em seção eleitoral de Jerusalém

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, conquistou um novo mandato na eleição de terça-feira (22), mas viu seu bloco direitista perder espaço inesperadamente para a oposição de centro-esquerda, segundo pesquisas de boca de urna.

De acordo com elas, o partido Likud, de Netanyahu, que disputou a eleição coligado com o nacionalista Yisrael Beitenu, terá 31 dos 120 deputados - 11 a menos do que na legislatura anterior. Ele poderá se aliar com outros partidos de direita, chegando a 61 ou 62 deputados, contra 58 ou 59 da centro-esquerda.

Leia também:
Netanyahu tenta reeleição enquanto israelenses vão às urnas
Eleição de Israel fracassa em entusiasmar minoria árabe-israelense

Se esses resultados compilados por três canais de TV estiverem corretos, Netanyahu governará pelo terceiro mandato, após antecipar as eleições acreditando na sua força política.

"De acordo com os resultados de boca de urna, está claro que os cidadãos de Israel decidiram que querem que eu continue no cargo de primeiro-ministro de Israel e que forme um governo mais amplo possível", escreveu Netanyahu em sua página no Facebook.

Após uma campanha apática, o comparecimento às urnas, num dia ensolarado, foi o maior desde 2003, segundo as projeções iniciais. Esse fator animou os partidos de centro-esquerda, que depositavam suas esperanças em mobilizar uma multidão de indecisos contra Netanyahu e seus aliados nacionalistas e religiosos.

O partido centrista Yesh Atid (Há um Futuro), liderado pelo ex-apresentador de TV Yair Lapid, ficou em segundo lugar, com 18 ou 19 cadeiras, segundo as pesquisas - um resultado expressivo para um novato na política.

Lapid teve bastante apoio do eleitorado laico de classe média, ao prometer resolver a crescente escassez de moradias, abolir a dispensa de seminaristas judeus do serviço militar e iniciar uma reforma do sistema educacional.

O outrora dominante Partido Trabalhista, comandado por Shelly Yachimovich, deve ficar em terceiro lugar, com 17 cadeiras.

Antes da votação, várias pesquisas anteviam uma vitória tranquila para Netanyahu, embora a rodada final de levantamentos, na sexta-feira, apontasse um encolhimento da bancada do Likud-Beitenu e um crescimento do novo partido ultradireitista Bait Yehudi (Lar Judaico), que é contra a criação do Estado palestino e propõe anexar partes da Cisjordânia. O Bait Yehudi deve eleger 12 deputados.

Os resultados completos são esperados para a manhã de quarta-feira, e os oficiais devem ser anunciados em 30 de janeiro. Depois disso, o presidente Shimon Peres deve convidar Netanyahu, como líder da maior bancada, a tentar formar um governo.

O ex-militar tradicionalmente forma alianças com partidos religiosos e conservadores. Desta vez, seu principal parceiro deve ser o milionário Naftali Bennett, fundador do Bait Yehudi.

Durante a campanha, Netanyahu enfatizou repetidamente a necessidade de conter o programa nuclear iraniano, deixando em segundo plano a perspectiva de retomada do processo de paz com os palestinos, abandonado desde 2010.

Leia tudo sobre: israeleleiçãoboca de urna

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas