Nova York sanciona primeira lei de armas dos EUA desde crime em Connecticut

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Nesta quarta-feira, será a vez do presidente Barack Obama divulgar uma série de "propostas concretas" contra a violência armada no país

Reuters

Reuters

O governador do Estado de Nova York, Andrew Cuomo, sancionou nesta terça-feira uma das medidas mais duras de controle de armas do país e a primeira a ser promulgada desde o massacre no mês passado numa escola primária em Connecticut.

Nesta terça-feira: Novo tiroteio nos EUA deixa dois feridos

Reuters
O governador de Nova York, Andrew Cuomo, assina a medida, nesta terça-feira

A lei foi aprovada pela assembleia liderada pelos democratas nesta terça-feira, um dia depois de passar rapidamente pelo Senado de maioria republicana.

A lei amplia a proibição do Estado sobre armas de assalto, coloca limites de capacidade de munição e tem novas medidas para manter armas longe de pessoas com doenças mentais.

Cuomo pressionou para que a lei fosse aprovada depois que um atirador matou 20 crianças e seis adultos na escola primária Sandy Hook, em Newtown, Connecticut, há pouco mais de um mês.

A medida também determina pena de prisão perpétua sem liberdade condicional para qualquer pessoa que matar socorristas. Apenas duas semanas depois do massacre em Connecticut, um incendiário fez uma armadilha e matou dois bombeiros que respondiam a um incêndio que ele tinha provocado perto de Rochester.

Leia também:
Cai número de compradores de armas em Estados com ataques a tiros nos EUA
Obama diz que seu vice apresentou formas de reduzir violência armada
Professor evita novo massacre em escola dos EUA

Obama anuncia medidas nesta quarta-feira

O presidente Barack Obama deve divulgar uma série de "propostas concretas" contra a violência armada, incluindo a proibição do comércio de armas de assalto e mais rigor na verificação dos antecedentes de compradores de armas. O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, disse que Obama e seu vice, Joe Biden, que comandou a força-tarefa encarregada de preparar recomendações, vão apresentar o pacote de medidas legislativas e executivas num evento marcado para as 11h45 (14h45 em Brasília).

Crianças de todo o país que escreveram ao presidente manifestando preocupação com a violência armada e a segurança nas escolas foram convidadas com seus pais para o evento na Casa Branca. "O presidente já deixou claro que pretende adotar uma abordagem abrangente", disse Carney a jornalistas.

"Há ações legislativas específicas que vamos continuar pedindo ao Congresso para tomar, incluindo a proibição das armas de assalto, uma medida para proibir cartuchos de munição de alta capacidade e um esforço para fechar enormes lacunas no sistema de verificação de antecedentes no nosso país", disse ele.

Biden entregou suas recomendações a Obama depois de uma série de reuniões com representantes das indústrias de armas e entretenimento, convocadas pelo presidente depois do massacre de 14 de dezembro numa escola primária de Newtown

Leia tudo sobre: armasobamanova yorkviolência

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas