Principais líderes da Venezuela vão a Cuba dar apoio a Chávez

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Vice, presidente de Congresso e ministro do Petróleo se reuniram com aliados cubanos e verificaram condição de saúde de líder que luta contra câncer

Reuters

Reuters

As três autoridades mais poderosas do governo da Venezuela depois do presidente Hugo Chávez reuniram-se novamente em Havana neste domingo para verificar a condição de seu líder doente e se reunir com aliados cubanos.

No sábado: Chávez não está em coma, diz irmão

Análise: Apesar de diferenças, chavistas devem manter união para evitar suicídio político

AP
Venezuelano segura retrato de presidente da Venezuela, Hugo Chávez, durante missa por sua recuperação em igreja de Havana (12/01)

O vice-presidente Nicolás Maduro, o presidente da Assembleia Nacional (Congresso unicameral do país) Diosdado Cabello e o ministro do Petróleo Rafael Ramirez têm feito diversas viagens de ida e volta para Cuba desde a quarta - e mais grave - cirurgia do presidente socialista para se livrar de um câncer, há um mês.

Chávez, que perdeu sua própria cerimônia de posse para um novo mandato de seis anos na semana passada, não foi visto ou ouvido em público desde a cirurgia. Muitos venezuelanos estão acreditando que seu governo de 14 anos do país sul-americano membro da Opep poderia estar se aproximando do fim.

Decisão: Prorrogação de posse de Chávez é legal, diz Suprema Corte da Venezuela

Endosso externo: OEA 'respeita totalmente' decisão da Venezuela de prorrogar posse

Apesar de reconhecer a gravidade da situação, as autoridades tentam ficar otimistas sobre as perspectivas da recuperação do presidente e, no sábado, o irmão de Chávez negou que ele estivesse em coma.

O ministro da Informação Ernesto Villegas disse que Maduro, que Chávez recentemente designou como seu sucessor, informou ao líder da Venezuela sobre o apoio para ele no país. Ele não deu mais detalhes de seu encontro ou condição do presidente.

Apoio: Dezenas de milhares marcam posse simbólica de Chávez nas ruas de Caracas

A imprensa estatal disse que Maduro, Cabello, Ramirez - que também presidem a poderosa petrolífera estatal PDVSA - e a procuradora-geral Cilia Flores reuniram-se com o presidente cubano, Raúl Castro, no fim de semana. Não foram dados mais detalhes dos encontros.

Julio Borges, um dos líderes da oposição, disse no domingo que o sigilo em torno condição exata de Chávez era inaceitável. "Ninguém está pedindo detalhes da operação ou do tratamento do presidente, mas que simplesmente digam a verdade sobre seu prognóstico", disse Borges, um parlamentar da direita que quer que Chávez seja declarado formalmente ausente do cargo.

Leia tudo sobre: venezuelachávezcâncer de chávezmadurocabello

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas