Rafael Correa e mais sete candidatos iniciam campanha eleitoral no Equador

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Atual presidente larga como favorito na disputa pela reeleição e conta 60% nas pesquisas de intenção de voto

Reuters

O presidente do Equador, Rafael Correa, e outros sete candidatos saíram nesta sexta-feira às ruas do país para medir forças e captar o apoio popular no início oficial da campanha para as eleições de fevereiro, nas quais o governante é o favorito.

O popular presidente socialista chegou antes do amanhecer a uma região de recursos escassos no sul de Quito, onde foi recebido com bandeiras, balões e música por centenas de seguidores.

Entenda: Rafael Correa vai disputar a reeleição para a presidência do Equador

Leia também: Correa proíbe ministros de dar entrevistas à imprensa 'indecente'

Vestido de azul e verde, as cores de seu movimento político, ele fez um discurso efusivo e logo iniciou uma viagem de cerca de 230 quilômetros por terra, que esperava terminar de noite na cidade costeira de Portoviejo.

Reuters
Pesquisas dão a dianteira ao presidente Rafael Correa, que disputa com outros sete candidatos

"O passado, nunca mais, esta revolução deve ser irreversível", disse Correa diante dos seguidores eufóricos, muitos dos quais apostavam abertamente que ele obteria a reeleição "em primeiro turno".

"Reiteramos nosso compromisso, tudo por vocês, os mais necessitados", acrescentou o governante, que nesta semana recebeu a permissão da Assembleia Nacional para se retirar de suas funções por um mês, a partir de 15 de janeiro, para se dedicar à campanha eleitoral.

Os outros sete candidatos da oposição tinham previstas concentrações e caminhadas em várias cidades para promover suas promessas de campanha contrárias ao "socialismo do século 21", que defende o governante.

Veja também: Depois de rebelião, Rafael Correa tem cuidado redobrado

Embora a campanha tenha começado apenas nesta sexta-feira, os candidatos já tinham iniciado meses antes a promoção de suas candidaturas. Correa, por exemplo, visitou povoados pobres do país, inaugurando dezenas de obras em jornadas longas.

Uma pesquisa aplicada em dezembro pela empresa Perfiles de Opinión deu 60% de apoio a Correa, seguido de longe pelo ex-banqueiro Guillermo Lasso, com 11 por cento.

Cerca de 11,5 milhões de equatorianos vão às urnas no dia 17 de fevereiro eleger o presidente e 137 representantes da Assembleia Nacional.

Leia tudo sobre: EquadorRafael Correaeleições no Equador

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas