Menina paquistanesa atacada pelo Taleban deixa hospital britânico

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Malala Yousafzai, de 15 anos, foi baleada na cabeça por defender o direito das mulheres. Crime ocorreu em outubro do ano passado no norte do Paquistão

Reuters

A menina paquistanesa que foi atacada pelo Taleban após defender o direito à educação para mulheres foi liberada do hospital britânico onde estava internada, após receber alta dos médicos para se recuperar junto com a família. Malala Yousufzai, de 15 anos, levou um tiro em outubro do ano passado e foi levada à Grã-Bretanha para receber tratamento.

Relembre: Taleban atira em paquistanesa defensora dos direitos das mulheres

AP
Malala deixa hospital na Inglaterra; ataque promovido contra garota foi em outubro

Ela recebeu alta na quinta-feira (3), mas deve ser internada novamente no final de janeiro ou no início de fevereiro para ser submetida a uma cirurgia de reconstrução do crânio, disseram os médicos. O ataque a Malala, que levou um tiro na cabeça à queima-roupa, provocou imensa condenação internacional. Ela se tornou um símbolo da resistência aos esforços do Taleban de negar o direito às mulheres.

Paquistão prende nove suspeitos de atentado contra ativista de 14 anos

Infográfico: Saiba mais sobre as mulheres no mundo árabe e muçulmano

"Malala é uma moça forte e trabalhou duro com as pessoas que cuidam dela para fazer um excelente progresso em sua recuperação", afirmou o diretor médico do Hospital Queen Elizabeth, em Birmingham, Dave Rosser, onde Malala está sendo tratada. "Depois de conversar com Malala e sua equipe médica, nós decidimos que ela iria se beneficiar por estar em casa com seus pais e dois irmãos."

Leia tudo sobre: talebanMalala Yousafzaipaquistãomulheres

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas