Cinzas de vítima de estupro na Índia são espalhadas no rio Ganges

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Polícia também confirmou nesta terça-feira (1º) que vai pedir a pena de morte para os agressores da jovem que morreu após ser violentada em um ônibus em Nova Délhi

Reuters

Reuters
Menina reza pela vítima de estupro coletivo que mobilizou a Índia, na cidade de Ahmedabad

As cinzas de uma estudante indiana que morreu após ser estuprada por um grupo de homens foram espalhadas pelo rio Ganges nesta terça-feira (1º), à medida que relatos de mais ataques acenderam um debate nacional sobre violência contra mulheres.

A morte da mulher de 23 anos, que não foi identificada, levou manifestantes às ruas em toda a Índia, em meio a uma indignação nacional e promessas do governo de punições mais duras para esses tipos de crimes.

A polícia confirmou também que buscará a pena de morte para os agressores da jovem --a entidade de segurança pode recomendar que promotores busquem punições específicas em julgamentos na Índia.

Leia também: Corpo de estudante vítima de estupro é cremado na Índia

A estudante de psicoterapia foi estuprada e torturada em 16 de dezembro por um grupo de homens armados com uma barra de metal em um ônibus particular em Nova Délhi, chamada de a "capital do estupro" da Índia.

Ela morreu no último sábado em função dos graves ferimentos em um hospital em Cingapura.

Parentes espalharam as cinzas da estudante no maior rio da Índia, considerado sagrado pela religião hindu, durante uma pequena cerimônia no distrito de Ballia, onde ela nasceu, disse uma autoridade sênior à Reuters.

BBC Brasil: Por que a Índia trata tão mal suas mulheres? 

A imprensa indiana informou sobre uma série de novos ataques nesta terça-feira, incluindo o caso de uma mulher que foi incendiada, supostamente por um perseguidor, em Uttar Pradesh, e de outra que foi esfaqueada até a morte em um movimentado distrito comercial no leste de Délhi.

Em um debate intitulado "Ano Novo, Novos Ataques, Novos Estupros", televisionado pela rede NDTV, advogados e políticos de diversos partidos prometeram ação rápida para leis mais rigorosas.

Entenda: Estupro coletivo expõe descaso de Nova Délhi com mulheres 

Cinco homens e um adolescente foram detidos por conta do ataque e fontes policiais disseram nesta terça-feira que as acusações seriam apresentadas provavelmente na quarta ou quinta-feira.

Veja imagens dos protestos no país após morte da jovem: 
 

Manifestantes em Mumbai neste sábado (29/12) protestam contra o estupro de uma estudante que resultou na sua morte. Foto: APPessoas acompanham a chegada do corpo da estudante vítima de um estupro coletivo. Foto: ReutersMulheres indianas acendem velas em protesto contra estupro coletivo de jovem na capital, Nova Délhi; a jovem morreu nesta sexta-feira (28). Foto: APManifestantes indianos são escoltados pela polícia durante protesto contra estupro brutal de estudante em ônibus por gangue no dia 16 (24/12). Foto: APManifestantes tentam se proteger enquanto são agredidos por polícia em Nova Délhi durante manifestação violenta contra estupro coletivo de estudante (23/12) 
. Foto: APPolícia indiana tenta conter mulheres que protestam contra estupro coletivo de jovem de 23 anos em ônibus de Nova Délhi (23/12). Foto: APManifestantes em Nova Délhi pedem maior punição contra suspeitos de estuprar estudante em ônibus (22/12). Foto: APEstudantes seguram cartazes pedindo punição aos estupradores de uma estudante durante protesto em Allahabad, Índia (20/12). Foto: APIndianos participam de vigília à luz de velas do lado de fora de hospital onde vítima de estupro coletivo está internada em Nova Délhi (20/12). Foto: APMulheres fazem protesto em frente à casa da chefe de governo do Estado Sheila Dikshit em Nova Délhi, Índia (19/12). Foto: AP
Leia tudo sobre: índiaestupro coletivo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas