Índia reforça segurança após morte de vítima de estupro coletivo

Jovem de 23 anos lutou pela vida por 12 dias; caso despertou revolta nacional e protestos no país

BBC |

BBC

AP
Manifestantes em Mumbai neste sábado (29/12) protestam contra o estupro de uma estudante que resultou na sua morte

A polícia da Índia isolou grande parte da capital do país, Nova Delhi, e fez um apelo por calma após a morte de uma mulher que foi vítima de um estupro coletivo que causou revolta em todo o país.

A mulher de 23 anos de idade, que não foi identificada, morreu na manhã de sábado em um hospital de Cingapura , onde tinha sido levada para tratamento especializado.

A jovem já havia passado por três cirurgias em Nova Déli antes de ser transferida para Cingapura. De acordo com os médicos, a causa da morte foi dada como falência múltipla dos órgãos causada por severos ferimentos ao corpo e ao cérebro.

Leia também:
Jovem vítima de estupro coletivo na Índia morre em hospital de Cingapura
Índia deve publicar nomes, fotos e endereços de estupradores na internet
Estupro coletivo expõe descaso de Nova Délhi com mulheres
Índia manda abrir inquérito de estupro coletivo em ônibus

Seu corpo deverá ser levado de volta para a Índia.

O ataque realizado no dia 16 de dezembro desencadeou violentos protestos de rua na Índia , que deixaram um policial morto.

Seis homens foram presos em conexão com o estupro e dois policiais foram suspensos.

Veja as fotos dos protestos contra o estupro coletivo na Índia: 

Reuniões proibidas
Após a divulgação da morte da jovem, a polícia isolou uma vasta área do centro de Nova Delhi, fechou uma série de estações ferroviárias e pediu a viajantes que não venham à cidade.

Centenas de policiais armados e tropas de choque foram convocados, entre elas muitas mulheres policiais. A polícia da Índia e o comissário de Nova Delhi, Neeraj Kumar, pediram que a população mantenha a calma.

Reuniões de mais de cinco pessoas foram proibidas no centro da cidade.

Mas na manhã deste sábado, centenas de pessoas se reuniram no observatório Jantar Mantar, uma das áreas da cidade onde os protestos estão permitidos, segundo o repórter da BBC na cidade, Sanjoy Majumder.

E ativistas indianos já estão pedindo a realização de protestos por todo o país.

Quadro delicado
A equipe do Hospital Mount Elizabeth, em Cingapura, onde a jovem estava internada, disse que ela ''faleceu em paz'', neste sábado, tendo sua família a seu lado.

Seu quadro era extremamente delicado, ela sofrera uma parada cardíaca, uma infecção no pulmão e no abdômen, além de dano cerebral.

Ela havia pego um ônibus com seu amigo na região de Dwarka, no sudoeste de Nova Delhi. Dentro do ônibus ela foi violentada durante uma hora por diversos homens. Depois, ela e o amigo foram espancados com barras de ferro e lançados para fora do ônibus nus e com o veículo em movimento.

Somente neste ano, mais de 630 casos de estupro já foram registrados em Nova Delhi, conhecida no país como "capital do estupro".

    Leia tudo sobre: índianova delhiestupro coletivo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG