Cidade no Texas permite professores com armas na escola

Com xerife mais próximo a 30 minutos de distância, escola de Harrold votou para permitir porte de armas para 'proteger nossas crianças'

AP |

AP

Na minúscula cidade texana de Harrold, as crianças e seus pais não se preocupam muito com a segurança na escola local – principalmente porque alguns dos professores portam armas.

O escritório do xerife mais próximo fica a 30 minutos de distância, e as pessoas tendem a se conhecer – e a confiar – umas nas outras. E foi por isso que a diretoria da escola votou para que os professores pudessem trazer armas para a escola.

Porte de armas: Leis imperfeitas refletem dificuldade no controle de armas de fogo nos EUA

AP
Cliente experimenta espingarda em loja do Texas (19/12)

Reação: Obama pede 'propostas concretas' sobre controle de armas até janeiro

"Não temos dinheiro para contratar um segurança, e essa foi a melhor solução", disse o superintendente David Thweatt. "Um atirador poderia abater um guarda ou um policial com uma arma visível no coldre, mas nossos professores têm mestrado, são mais velhos e tiveram treinamento extensivo. E suas armas ficam escondidas. Assim podemos proteger nossas crianças."

Como consequência do terrível ataque do dia 14 na escola primária em Newtown , em Connecticut, cada vez mais legisladores em diferentes Estados do país – incluindo Oklahoma, Missouri, Minnesota, Dakota do Sul e Oregon – disseram que considerarão leis que permitam que professores e administradores escolares possam portar armas de fogo na escola.

A lei do Texas proíbe armas nas escolas, a menos que a instituição tenha dado autorização por escrito. O Arizona e seis outros Estados têm leis semelhantes, com exceções para as pessoas que têm licenças para portar armas ocultas.

Com faca: Ataque sem mortos na China reacende debate nos EUA sobre armas de fogo

O conselho escolar de Harrold votou por unanimidade em 2007 para permitir que os funcionários pudessem portar armas. Depois de obter uma licença de porte de armas do Estado, cada funcionário que opte por portar uma arma deve ser aprovado pelo conselho com base em sua personalidade e reação a uma crise, disse Thweatt.

Os funcionários também precisam ser treinados para intervir em crises e situações com reféns. E eles também devem usar balas que atenuem o risco de ricochete, semelhantes àquelas utilizadas por oficiais em aviões.

CaRae Reinisch, que mora na comunidade vizinha de Elliott, disse que tirou seus filhos de uma escola maior e os matriculou em Harrold há dois anos em parte porque sentiu que seria mais seguro para seus filhos estudar em um local com professores armados.

"É uma ótima ideia ter professores treinados portando armas", disse Reinish. "Mas odeio o fato de que tivemos de chegar a isso."

Site falso: Em meio à tragédia em escola dos EUA, uma tentativa de fraude

NRA: Lobby de armas dos EUA quer policiais armados em escolas

O superintendente não informou quantos dos 50 funcionários da escola portam armas e disse que revelar esse número poderia comprometer a segurança da escola, que tem 103 alunos do jardim de infância até o terceiro colegial. A maioria deles raramente pensa sobre quem está portando uma arma.

"Essa é a primeira vez em muito tempo que pensei sobre isso", disse Matt Templeton, filho do diretor de 17 anos. "E isso foi por causa do que aconteceu" em Connecticut.

Os opositores insistem que ter mais gente armada em uma escola, especialmente os professores ou administradores que não são treinados para lidar com o crime diariamente, poderia levar a mais lesões e mortes. Eles apontam como exemplo disso um incidente em agosto fora do Empire State Building, onde a polícia matou um designer de roupas depois que ele matou a tiros um ex-colega . Nove transeuntes foram feridos por tiros dos policiais, balas perdidas e fragmentos.

"Colocaremos os professores de crianças de 6 anos em uma posição em que esperaremos que reajam a uma situação de perigo?" disse Ladd Everitt, um porta-voz da Coalizão para Parar a Violência De Armas, em Washington D.C., que caracterizou a ideia de armar os professores de "loucura".

Dan Gross, presidente da Campanha Brady, disse que os esforços em armar os professores podem desviar a atenção de todos das "soluções plausíveis" que poderiam ajudar a evitar "a violência armada na escola e também estimular uma discussão perigosa que promove armas como um meio de proteção, sem uma discussão sobre os grave riscos que apresentam".

Enquanto o debate continua, a escola de Harrold planeja manter sua política. "Não dá para ter certeza de tudo.... Mas temos de agir na esperança de que (uma tragédia) não acontecerá", disse Thweatt. "A questão é: o que você tem feito a respeito disso? Qual é o seu plano?"

Por Angela K. Brown

    Leia tudo sobre: ataque em newtowneuatexasporte de armas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG