Mulher que matou conselheiro americano era do Irã, diz Afeganistão

Segundo porta-voz do Ministério do Interior, policial tinha 'comportamento instável', mas nenhum vínculo conhecido com militantes

iG São Paulo |

A policial que matou um americano  de 49 anos em Cabul é uma iraniana que veio ao Afeganistão e demonstrou "comportamento instável", mas não tinha vínculos conhecidos com militantes, disse o porta-voz Sediq Sediqi, do Ministério do Interior nesta terça-feira.

Ataque: Policial afegã mata conselheiro dos EUA em Cabul

AP
Policiais afegãos montam guarda do lado de fora da sede da polícia afegã em Cabul, onde conselheiro americano foi morto (24/12)

Vídeo: Mulheres devem ter papel crucial no Exército do Afeganistão

A policial identificada como sargento Nargas matou a tiros Joseph Griffin, de Mansfield, Geórgia, na segunda-feira, no primeiro ataque das forças de segurança afegãs contra os aliados estrangeiros envolvendo uma mulher. Nargas entrou em um complexo altamente guardado no centro de Cabul, confrontou Griffin e o matou com um único tiro de pistola.

A firma de segurança com base nos EUA DynCorp International disse em seu website que Griffin era um militar veterano que anteriormente trabalhou com agências policiais americanas. Em Cabul, ele estava sob contrato do comando militar da Otan (Organização do tratado do Atlântico Norte) para aconselhar a força policial afegã.

De acordo com Sediqi, Nargas, que usa um único nome como muitos em seu país, nasceu em Teerã, onde se casou com um afegão. Ela se mudou para o país hpa dez anos, depois que seu marido obteve documentos falsos para possibilitar que ela vivesse e trabalhasse no país.

Saiba mais: Entenda por que o Afeganistão é estratégico

Uma mãe na casa dos 30 anos com quatro filhos, ela entrou na polícia há cinco anos, deteve várias posições e tinha uma ficha limpa, disse. Sediqi mostrou um passaporte iraniano que, disse, foi encontrado na casa dela.

"Sua condição mental não é boa", disse, descrevendo-a como "desequilibrada". Ele disse que, depois de ela participar de um recente treinamento no Egito, um "governo estrangeiro" — uma clara referência ao próprio Egito — informou as autoridades afegãs que ela não parecia ser "normal".

Leia também: Invasões e conflitos marcam história do Afeganistão

Na segunda-feira, autoridades graduadas afegãs disseram que a policial tinha uma licença para carregar um arma no complexo e era muito conhecida no local. Nesta terça, entretanto, investigador-chefe Mohammad Zahir disse que ela não estava autorizada a portar armas no complexo, mas conseguiu passar pela segurança com uma pistola escondida. Nenhum grupo militante reivindicou o ataque.

Pelo menos 60 membros da Força Internacional de Assistência em Segurança (ISAF) foram mortos neste ano por afegãos que usavam uniformes da polícia e do Exército. Em 2011, foram 21. A multiplicação desses "ataques de dentro" estabeleceu um clima de desconfiança entre os soldados estrangeiros e aliados afegãos. A Otan atribui grande parte desses ataques a diferenças culturais, mas também reconhece que um quarto deles decorre da infiltração nas forças de segurança afegãs de insurgentes da milícia islâmica do Taleban.

*Com AP

    Leia tudo sobre: afeganistãotalebanotaneuairã

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG