Milhares desafiam proibição a protesto por indiana vítima de estupro coletivo

Autoridades puseram barreiras de segurança e proibição manifestações para evitar repetição de confrontos de sábado. Manifestantes voltam a entrar em choque com polícia

iG São Paulo | - Atualizada às

Milhares de manifestantes desafiaram uma proibição a protestos em Nova Délhi neste sábado para continuar expondo sua repulsa ao brutal estupro coletivo de uma jovem de 23 anos dentro de um ônibus na semana passada.

NYT: Estupro coletivo de indiana expõe descaso de Nova Délhi com mulheres

AP
Polícia indiana tenta conter mulheres que protestam contra estupro coletivo de jovem de 23 anos em ônibus de Nova Délhi

Nova Délhi: Estupro coletivo em ônibus causa comoção na Índia

A estudante de medicina, que está internada em estado grave , e um amigo do sexo masculino que a acompanhava teriam sido atacados também com barras de ferro antes de serem jogados para fora do ônibus.

Pelo segundo dia consecutivo, os manifestantes foram atingidos por canhões de água e por cacetetes na capital indiana. Enquanto alguns se dispersavam, outros se concentraram em um círculo para enfrentar a água em alta pressão no frio clima de dezembro.

Os protestos foram mantidos apesar de o ministro indiano do Interior, Sushilkumar Shinde, ter prometido considerar as reivindicações de condenação à morte de todos os seis suspeitos que foram presos pela polícia desde o ataque de 16 de dezembro. Além disso, Shinde disse no sábado que o governo tomava passos para melhorar a segurança das mulheres.

Um grupo de manifestantes se encontrou neste domingo com Sonia Gandhi, a líder do partido governista na Congresso, e reivindicou um julgamento rápido dos suspeitos. O ataque de uma semana atrás desatou protestos em todo o país.

Estado grave: Jovem vítima de estupro coletivo em ônibus corre risco de vida na Índia

Choques: Protesto em favor de indiana vítima de estupro coletivo termina em violência

"Queremos justiça!", gritavam os manifestantes em coro. Além de faixas e cartazes, muitos empunhavam bandeiras indianas enquanto brigavam com a polícia. No início do dia, autoridades puseram barreiras de segurança e proibiram as manifestações no centro da cidade para evitar uma repetição de confrontos que aconteceram no dia anterior .

O incidente da noite de domingo de 16 de dezembro em Nova Délhi, conhecida como "capital do estupro" da Índia, foi brutal, mesmo para uma cidade que se tornou insensível aos crimes contra as mulheres.

Os maus-tratos e abuso contra mulheres são um grande problema especialmente em Nova Délhi e no norte da Índia. A mentalidade social patriarcal, uma cultura de abuso do poder político, um desdém generalizado em relação à legislação, uma força policial em grande parte insensível e uma população de migrantes sem raízes, sem lei, são apenas algumas das razões.

*Com AP e NYT

    Leia tudo sobre: índiaestupro coletivonova délhiestupro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG