Chile decreta alerta vermelho por vulcão Copahue, mas descarta retirada

Coluna de gases e cinzas chegou a 1,5 km de altura na direção sudeste, em direção a lado argentino

AFP | - Atualizada às

AFP

A Agência Nacional de Emergência do Chile mantém o alerta vermelho pelo aumento da atividade sísmica do vulcão Copahue , na fronteira entre o Chile e a Argentina, mas descartou a possibilidade de uma evacuação, enquanto o vizinho o elevou para laranja diante da presença de lava na boca da cratera do maciço na fronteira entre os dois países, informaram autoridades binacionais.

Saibam mais: Erupção de vulcão deixa Chile e Argentina em alerta

AFP
Vulcão Copahue expele cinzas de Caviahue, Província de Neuquén, Argentina (22/12)

Vídeo:  Erupção de vulcão lança lava e causa explosões no Equador; assista

O escritório nacional de emergências do Chile (Onemi) decretou o alerta vermelho pela atividade sísmica no vulcão, situado na fronteira com a Argentina. "A intensidade dos sinais sísmicos sugerem que a erupção ainda em curso é menor", mas "não se descarta uma evolução da atividade para uma grande erupção", ressaltou o Serviço Nacional de Geologia e Mineração (Sernageomin), em um comunicado.

Na noite de sábado, equipes de monitoramento detectaram uma atividade sísmica contínua e observaram uma incandescência na cratera, o que poderia indicar fluxos de lava pelas encostas do vulcão.

O vulcão situado na região de Biobío começou a cuspir cinzas e atualmente a coluna de gases e cinzas chegou a 1,5 km de altura na direção sudeste.

No entanto, apesar de a atividade do vulcão se manter estável, na tarde deste domingo foi observada uma mudança de cor na coluna de gases, que passou de cinza para branca, o que indicaria que vapor está sendo expulsa, confirmou à AFP uma fonte do ministério da Mineração.

A Onemi indicou que por enquanto não há necessidade de evacuar a população, porque "no caso de aumento da atividade, a área susceptível de ser afetada por fluxos de lava e lahars (um raio de 15 km) não inclui áreas povoadas".

Lahars são deslizamentos de terra que ocorrem nas encostas de vulcões provocados pela mistura das cinzas e água expelida, e que podem chegar a devastar populações.

Com a finalidade de ter os recursos necessários prontos para necessidade de evacuação, a Onemi ativou um plano de prevenção para dispor de máquinas, veículos, abrigos e caminhões-tanque com água potável.

Em seu último informe, o Senageomin recomendou atenção às margens dos rios nas faces do vulcão onde possam chegar os lahares e informou que a área suscetível de ser afetada pela queda de cinzas com 1 cm de espessura se encontra sobretudo no leste do vulcão, em direção à Argentina.

O governo da província argentina de Neuquén (sul), por sua vez, decidiu elevar este domingo de amarelo para laranja o alerta emitido no sábado com relação à erupção do vulcão de 2.965 metros, informou o coordenador do Ministério de Desenvolvimento provincial, Carlos Vivero.

"A presença de lava na boca da cratera do vulcão Copahue, que desde ontem (sábado) lança fumaça e cinzas, fez o comitê de emergência constituído na comuna de Caviahue-Copahue (...) elevar preventivamente de amarelo para laranja o alerta, o que por enquanto não implica em evacuação", disse Viveros ao portal da Secretaria de Comunicação Pública da Presidência.

Segundo a fonte, também foi disposta a prontidão de veículos caso seja necessária a evacuação das populações vizinhas ao vulcão.

Na cidade de Copahue, vila turística de águas termais, vivem umas 500 pessoas, outras 900 na vizinha Caviahue e 800 mais nos arredores das comunidades mapuches (indígenas) assentadas na região.

A Defesa Civil provincial distribuiu máscaras e água potável para os moradores e permanece em alerta.

"Em Caviahue os moradores vivem uma situação de total tranquilidade, os acessos turísticos estão abertos e a chegada de visitantes é normal", disse à agência oficial Télam Eduardo Muñoz, porta-voz da coordenação da Intendência Caviahue-Copahue.

As autoridades informaram que o alerta passará a vermelho se o vulcão "lançar magma e pedra pomes, pondo em risco tanto o complexo termal, que está a seis quilômetros da boca, como a cidade de Caviahue, que está a nove quilômetros, ou as zonas rurais, quase todas ocupadas por mapuches criadores de gado".

O vulcão fica bem na linha fronteiriça na cordilheira dos Andes entre Chile e Argentina, mas a cratera de onde saem as emanações está voltada para o lado argentino.

    Leia tudo sobre: vulcãochileargentinavulcão copahue

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG