Ataque mata ministro e mais oito no Paquistão

Militantes do Taleban assumiram a autoria do ataque a bomba em comício no norte do País

Reuters |

Reuters

Militantes do Taleban realizaram neste sábado um ataque a bomba em um comício na cidade de Peshawar, no norte do Paquistão, matando nove pessoas, incluindo um ministro provincial, disseram autoridades. Foi o mais recente de uma série de ataques no país.

O ministro provincial para o governo regional, Bashir Ahmad Bilour, morreu após ser levado para o hospital Lady Reading, afirmou Arshad Javed, chefe-executivo do estabelecimento.

Paquistão:  Integrantes da campanha de vacinação contra pólio são mortos

Violência: Explosão de carro-bomba mata 17 no Paquistão

AP
Homem chora ao lado do corpo de uma das vítimas do ataque a bomba no Paquistão

Ibrahim Khan, da polícia local, afirmou que um policial foi morto e que muitos outros estavam entre os 30 feridos.

O porta-voz do Taleban Ihsanullah Ihsan reivindicou para o grupo a autoria do ataque e disse que a insurgência continuará visando o Partido Nacional Awami, maior legenda da província de Khyber Pakhtunkwa.

Na semana passada, Peshawar já tinha testemunhado um ataque no aeroporto local, onde nove pessoas, incluindo cinco militantes, morreram em um ataque que combinou armas de fogo, foguetes e um carro-bomba.

Leia mais: Médico paquistanês que ajudou a localizar Bin Laden faz greve de fome

Saiba também: Médico que ajudou na caçada a Bin Laden fala de dentro da prisão

Nesta semana, nove vacinadores contra a poliomielite foram mortos a tiros na cidade de Karachi e na região de Peshawar.

O Taleban disse que não foi o responsável por tal ataque, embora os chefes da organização tenham condenado repetidamente a campanha de vacinação, dizendo que ela é um plano para espionar ou esterilizar os muçulmanos.

Autoridades do Exército disseram à Reuters que Hakimullah Mehsud, líder oficial do Taleban paquistanês, recentemente perdeu a confiança em seus combatentes e entregou o controle operacional para seu vice, Wali-ur-Rehman, algo que a organização nega.

    Leia tudo sobre: paquistãotaliban

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG