Obama apoia proibição a armas de assalto, diz porta-voz da Casa Branca

Presidente americano endossa plano de senadora democrata de apresentar projeto de lei contra esse tipo de armamento após massacre de 20 crianças e seis adultos em escola

iG São Paulo | - Atualizada às

O presidente dos EUA, Barack Obama, apoia o retorno de uma proibição contra armas de assalto, disse nesta terça-feira o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, em um anúncio feito após o massacre de 20 crianças e seis adultos em uma escola primária de Newtown, no Estado americano de Connecticut, na sexta.

Rifle Bushmaster AR-15:  Cerberus venderá fabricante de armas Freedom após massacre

AFP
Pessoas chegam para enterro de Jessica Rekos, de 6 anos, em igreja de Newtown, Connecticut

Após massacre em escola: Obama discute formas de restringir armas nos EUA

De acordo com Carney, o líder americano apoia "ativamente" o plano da senadora democrata Dianne Feinstein de apresentar um projeto de lei a esse respeito no dia da primeira reunião do novo Congresso do país.

"Ele está apoiando, por exemplo, a intenção declarada da senadora Feinstein de reviver um trecho de legislação que reintroduziria a proibição às armas de assalto", disse Carney. Previamente, Obama já tinha declarado seu apoio à reintrodução do banimento, que expirou em 2004. Mas essa é a primeira vez que ele endossou uma medida específica.

Segundo o porta-voz, o presidente americano também considera restrições a cartuchos com munições de alto desempenho e é contra uma brecha legal que permite a compra de armas em exposições de armamentos.

Fotos: Veja fotos das vítimas do massacre em escola primária nos EUA

O anúncio é uma mostra de que o massacre cometido pelo jovem Adam Lanza , de 20 anos, tornou mais plausível a hipótese de que os EUA adotem alguma legislação de controle das armas.

Em pronunciamento em Newtown na noite de domingo , Obama prometeu que usaria "qualquer poder que este cargo detenha" para tentar evitar novos massacres. "Que escolha temos? Não podemos aceitar fatos assim como rotina", disse na ocasião.

Parlamentares favoráveis ao direito ao porte de armas disseram na segunda que aceitariam rever sua posição, enquanto Obama discutiu a questão na Casa Branca com o vice-presidente Joe Biden, a secretário de Educação Arne Duncan, o secretário de Justiça Eric Holder e a secretária de Saúde e Serviços Humanos Kathleen Sebelius. Citando fontes não identificadas, o jornal Washington Post afirmou que Biden será o responsável pela iniciativa.

Antes de dirigir-se de carro à Escola Elementar de Sandy Hook e executar as vítimas com um fuzil de assalto Bushmaster AR-15, Adam matou sua mãe com quatro disparos na cabeça na casa em que viviam juntos, de acordo com autoridades. Depois do massacre, o atirador se matou com um tiro na cabeça depois de perceber a aproximação dos policiais. Além do fuzil, ele foi até a escola com as pistolas Glock 10 mm e Sig Sauer 9 mm. Outra arma também foi encontrada no carro.

Em reação à tragédia e sob pressão de um importante investidor, a empresa de private equity Cerberus Capital Management decidiu que venderá a fabricante de armas Freedom Group , que produz o rifle Bushmaster AR-15.

Nesta terça-feira, escolas de Newtown, com exceção de Sandy Hook, recomeçaram suas atividades com a segurança reforçada pela primeira vez desde o ataque de sexta. Apesar disso, alguns pais decidiram manter seus filhos em casa.

*Com AP, BBC, AFP e Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG