Integrantes da campanha de vacinação contra pólio são mortos no Paquistão

Homens mataram pelo menos cinco funcionários em diferentes partes do país; Taleban é contra o programa de imunização e acusa equipes de praticar espionagem para os EUA

iG São Paulo | - Atualizada às

Homens armados mataram nesta terça-feira (18) pelo menos cinco integrantes da equipe da campanha de vacinação contra pólio, em duas cidades diferentes no Paquistão. É provável que os ataques tenham sido uma tentativa do Taleban de impedir a iniciativa, apoiada pela ONU.

Os ataques ocorrem um dia depois de um voluntário da Organização Mundial da Saúde (OMS), que integrava a equipe de vacinação, ter sido morto em Karachi, maior cidade paquistanesa.

Junho:  Taleban cancela campanha de vacinação com medo de espionagem americana

NYT: Campanha de vacinação armada pela CIA pode ter prejudicado guerra contra pólio

AP
Rukhsana Bibi chora sobre o corpo de sua filha, Madiha Bibi, morta por homens armados em Karichi, Paquistão


Abbottabad: CIA armou vacinação falsa para pegar DNA de Bin Laden, diz jornal

Quatro dos mortos nesta terça, que incluíram mulheres, foram atacadas em Karachi, segundo Sagheer Ahmed, secretário da Saúde na província de Sindh. Dois homens ficaram gravemente feridos no ataque.

De acordo com as autoridades, o ataque contra os integrantes da equipe de vacinação ocorreram simultaneamente em diferentes áreas da cidade, levando o governo a suspender a campanha de vacinação em Karachi. A campanha teve início na segunda-feira e estava programada para ocorrer até quarta-feira.

Homens armados em uma moto também mataram uma mulher trabalhando na campanha na cidade de Peshawar, informou Janbaz Afridi, autoridade da Secretaria da Saúde na província.

Violência:  Explosão de carro-bomba mata 17 no Paquistão

Ele informou que os ataques não impediriam o governo de continuar o programa de vacinação na província e na região tribal vizinha, o principal reduto de militantes do Taleban no país. "Esses incidentes são deprimentes e provocam dificuldades no programa de combate ao pólio, mas as pessoas não deveriam perder a esperança", disse Afridi. "O governo é muito sério e estamos determinados a eliminar a doença apesar de todos os empecilhos e condições difíceis."

O Taleban já se declarou contra a vacinação de pólio, dizendo que as equipes que trabalham na campanha estão agindo como espiões para os EUA e que a vacina em si causa malefícios. Militantes em regiões tribais do Paquistão também disseram que a campanha de vacinação não pode continuar até que os EUA parem com seus ataques com aviões não-tripulados no país.

Leia mais:  Médico paquistanês que ajudou a localizar Bin Laden faz greve de fome

Saiba também: Médico que ajudou na caçada a Bin Laden fala de dentro da prisão

Os ataques em Karachi nesta terça-feira ocorreram em áreas de maioria pashtun, segundo Ahmed. O Taleban é um movimento dominado por esta etnia e acredita-se que muitos militantes do movimento estão escondidos nas comunidades dentro desta cidade.

A campanha de imunização foi suspensa em Karachi em julho também porque um voluntário local foi morto e dois agentes da ONU ficaram feridos. O Paquistão é um dos três países onde há epidemia de pólio. O vírus geralmente atinge crianças que vivem em condições insalubres, ataca os nervos e pode provocar paralisia ou morte.

O governo, em uma ação conjunta com agências da ONU, está em uma campanha nacional para aplicar as gotinhas da vacina contra pólio em 34 milhões de crianças com menos de cinco anos.

Mas os programas de vacinação, especialmente aqueles com envolvimento de organizações internacionais, se tornaram suspeitas no país desde que um médico paquistanês realizou um programa falso de imunização no ano passado para ajudar a CIA a caçar Osama Bin Laden .

Com AP

    Leia tudo sobre: paquistãopóliopoliomelitevacinaçãotaleban

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG