Atentado em Jamrud, na região da fronteira com o Afeganistão, ocorreu ao lado de um ponto de ônibus; entre os mortos estão cinco meninos

Uma explosão de um carro-bomba em um mercado movimentado em uma cidade do Paquistão deixou ao menos 17 mortos e mais de 40 feridos, informou nesta segunda-feira (17) a polícia local. A bomba explodiu ao lado de um ponto de ônibus, perto de um gabinete político, em Jamrud, na região da fronteira com o Afeganistão.

Ataque: Explosão de bomba deixa cinco mortos em procissão xiita no Paquistão

Rimsha:  Paquistão anula processo contra menina acusada de profanar o Alcorão

Paquistanês passa ao lado de um veículo em chamas após explosão na região tribal de Khyber
AP
Paquistanês passa ao lado de um veículo em chamas após explosão na região tribal de Khyber


Caxemira: Casal mata filha de 16 anos com ácido para "defender a honra"

Não ficou claro se o prédio governamental era o alvo do ataque. Entre os mortos estão cinco meninos e duas mulheres, disse Abdul Qudoos, médico em um hospital local. Segundo testemunhas, os explosivos foram colocados em um pequeno carro branco, estacionado no meio da estrada, bloqueando o tráfego.

"Havia fogo que queimou crianças, mulheres e afegãos e provocou destruição", disse Afridi. Até o momento, ninguém reivindicou autoria do atentado.

Leia também:  Atentado em mercado no Paquistão deixa 15 mortos

Violência:  Novo atentado no Paquistão deixa ao menos nove mortos e 20 feridos

A cidade de Jamrud fica no distrito de Khyber, que é parte do cinturão tribal paquistanês semiautonômo na fronteira com o Afeganistão. Os distritos tribais do noroeste do Paquistão são considerados refúgios dos insurgentes do Taleban e de grupos relacionados com a Al-Qaeda.

Também nesta segunda-feira, os militantes do Taleban jogaram granadas e dispararam com armas automáticas contra um comboio do Exército matando três soldados e ferindo outros três. Os soldados escoltavam uma campanha de vacinação contra a poliomelite na cidade de Lakki Marwat, quando foram atacados.

Há alguns meses, o Taleban vem se colocando contra a campanha, alegando que as equipes de vacinação seriam espiões dos EUA disfarçados. Um porta-voz do Taleban reivindicou a autoria do ataque. "Essas gotas contra polio são uma campanha americana para nos envenenar", disse.

Com AP e AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.