Prêmio Nobel reconhece Europa como 'continente da paz'

Premiação anunciada em outubro foi entregue nesta 2ª a três presidentes do bloco europeu, reconhecido pelas décadas de estabilidade e democracia após duas guerras mundiais

Reuters | - Atualizada às

Reuters

A União Europeia recebeu o Prêmio Nobel da Paz nesta segunda-feira, homenageada pelo comitê norueguês que olhou além do mal-estar econômico atual da Europa e reconheceu as décadas de estabilidade e democracia após os horrores de duas guerras mundiais.

Anúncio:  União Europeia leva o Prêmio Nobel da Paz de 2012

AP
E para D: Presidentes do COnselho Europeu, Herman Van Rompuy, da Comissão Europeia, Jose Manuel Barroso, e do Parlamento Europeu, Martin Schulz, seguram diploma do Nobel

Reação:  Nobel da Paz para União Europeia causa choque e surpresa em Bruxelas

Protesto: Manifestantes dizem que União Europeia não merece Prêmio Nobel da Paz

Apropriadamente para uma instituição sem um líder único, a UE enviou três de seus presidentes à cerimônia em Oslo para a entrega da premiação de 2012, que alguns críticos, incluindo o ex-prêmio Nobel Desmond Tutu, disseram não ser merecido.

"Sessenta anos de paz. É a primeira vez que isso aconteceu na longa história da Europa", disse Herman Van Rompuy, presidente do Conselho Europeu, à Reuters antes da cerimônia.

"Os fatos provam que a União Europeia é um instrumento de paz de primeira ordem", afirmou Van Rompuy, que recebeu o prêmio juntamente com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, e Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu.

A Europa passa atualmente por um momento de fraco crescimento econômico ou recessão pura e simples, desemprego em alta, e alguns de seus Estados-membros são incapazes de pagar suas dívidas. Essa tem sido chamada de a pior crise econômica desde a 2ª Guerra Mundial.

A crise econômica provocou agitação social em vários países-membros, com destaque para a quase falência da Grécia. Entretanto, o comitê do Nobel se concentrou no papel da UE em reconciliar os diferentes cantos do "velho continente" - tendo como maior sucesso transformar Alemanha e França de inimigos em aliados.

A partir de apenas seis países que concordaram em juntar suas produções de carvão e aço nos anos 1950 para atuais 27 Estados-membros - e 28 assim que a Croácia se juntar no próximo ano -, a UE agora se estende de Portugal até Romênia, Finlândia e Malta e define regras e regulamentos para mais de 500 milhões de pessoas.

"O papel de estabilização desempenhado pela UE tem ajudado a transformar a maior parte da Europa de um continente de guerra para um continente de paz", disse o comitê do Nobel em 12 de outubro, quando anunciou que a UE tinha sido escolhida vencedora deste ano, uma decisão inesperada.

"A divisão entre o Oriente e o Ocidente, em grande medida, chegou a um fim, a democracia tem sido reforçada, muitos conflitos nacionais de base étnica foram resolvidos."

Barroso, ex-primeiro-ministro de Portugal que fez parte da luta para transformar seu país em uma democracia em 1974, ecoou esses sentimentos. "É um reconhecimento do que foi conseguido ao longo de 60 anos e, ao mesmo tempo, é também um estímulo para o futuro", disse à Reuters.

Leia também: Saiba quem são os últimos 20 vencedores do Nobel da Paz

Apesar das palavras calorosas de unidade e sentido de propósito comum, a UE e suas principais instituições ficaram em desacordo após o anúncio porque não conseguiam decidir quem deveria receber o prêmio ou quem, especificamente, deveria ser homenageado.

No final, foi decidido que o prêmio ia para todos os europeus, a ser recebido pelos chefes das três principais instituições da UE. Vinte líderes da UE também decidiram participar da cerimônia, mas o primeiro-ministro britânico, David Cameron, cuja relação com Bruxelas é tensa, ficou de fora.

    Leia tudo sobre: união europeiaprêmio nobelnobel da paznobel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG