Primeiro-ministro da Itália diz que renuncia após aprovar orçamento

Anúncio surpresa alimenta especulações de que Monti concorrerá em eleições que, com renúncia, terão de ser antecipadas

Reuters |

Reuters

Reuters
O primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, durante entrevista em Roma (06/12)

O primeiro-ministro italiano, Mario Monti , anunciou neste sábado que renunciará assim que o orçamento de 2013 for aprovado, potencialmente antecipando uma eleição prevista para março ou abril do próximo ano e alimentando especulações de que concorrerá ao cargo.

Retorno: Berlusconi anuncia que concorrerá novamente às eleições italianas

Leia também: Partido de Berlusconi abandona votação e eleva tensão com governo italiano

O anúncio surpresa aconteceu dois dias depois de o partido do ex-premiê Silvio Berlusconi ter retirado o apoio parlamentar ao governo tecnocrata e horas depois de o próprio Berlusconi ter dito que concorrerá para tentar a quinta eleição como primeiro-ministro, em uma campanha baseada em ataques às políticas de Monti na economia.

O Parlamento já está preparado para aprovar o orçamento antes do Natal, e a renúncia de Monti provavelmente fará com que a votação ocorra não além de fevereiro. As eleições devem ocorrer menos de 70 dias depois de o presidente Giorgio Napolitano dissolver o Parlamento.

A medida de Monti é um problema para Berlusconi, que parecia novamente ter aproveitado uma oportunidade para manter seu partido no jogo político, menos de um ano depois de ser obrigado a renunciar em meio a um escândalo sexual e à crise da dívida.

Agora, Berlusconi pode ser forçado a disputar a eleição antes do que esperava, com seu partido muito dividido e atrás nas pesquisas, perdendo para a centro-esquerda e o Movimento Cinco Estrelas, do cômico Beppe Grillo.

O anúncio de Monti também aumentará a especulação de que ele possa se candidatar na eleição, embora ainda não tenha feito nenhum anúncio a respeito.

Os italianos votarão em meio a uma grave crise econômica, com uma recessão que começou em meados do ano passado e não mostra sinais de melhora, além de uma grande dívida pública e o desemprego a 11,1%, recorde histórico.

    Leia tudo sobre: itáliamontiberlusconieleições na itáliapdl

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG