"Agora temos um Estado", disse Abbas na Cisjordânia após decisão da ONU

Presidente da Autoridade Nacional Palestina foi recebido com tapete vermelho e festa de milhares. Estado ganhou status de observador das Nações Unidas na última quinta (29)

iG São Paulo |

Uma multidão de palestinos aclamou neste domingo o presidente Mahmud Abbas, que lidera a Autoridade Nacional Palestina (ANP), em sua chegada a Ramallah, na Cisjordânia, depois do sucesso na negociação que permitiu a elevação do status da Palestina a Estado observador-não membro das Nações Unidas (ONU).

Mais:  Israel diz que irá congelar repasse de fundos à Palestina 

Entenda:  Presidente palestino comemora votação 'histórica' na ONU

AP
Palestinos celebram decisão da ONU e retorno do presidente Abbas, neste domingo, em Ramallah


"Agora temos um Estado", disse Abbas aos palestinos em Ramallah. O presidente foi recebido com um tapete vermelho na entrada para o Mukata'ah, sede do governo palestino, e toda a área foi cercada por literalmente dezenas de milhares de palestinos em festa, agitando bandeiras e cantando.

Após vitória palestina na ONU, Israel 'construirá 3 mil novas casas de colonos'

Hamas vê possibilidade de reconciliação com Fatah após vitória na ONU

Na quinta-feira (29), a Assembleia Geral da ONU aprovou uma resolução que concedeu à Palestina o status de Estado observador não-membro, apesar da oposição dos Estados Unidos e de Israel, que respondeu anunciando o projeto de construir 3.000 novas casas nos assentamentos da Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

Em novembro de 2011, Israel já havia acelerado a construção de assentamentos na Cisjordânia, ocupada após a adesão da Palestina como membro pleno da Unesco. De acordo com o site de informação israelense, Ynet, a decisão de prosseguir com o plano de construção foi tomada na última quinta-feira (29) pelo Fórum dos nove principais ministros.

Paralisado há anos sob pressão americana, este polêmico projeto visa criar uma ligação territorial entre Maalé Adumim (35.000 habitantes) e as colônias de Jerusalém Oriental, ocupada e anexada desde 1967. Ambas as regiões estão a cerca de 10 km de distância uma da outra. Ele foi denunciado com veemência pelos palestinos por praticamente dividir em duas a Cisjordânia, comprometendo a viabilidade de um Estado palestino.

*com AFP

    Leia tudo sobre: palestinosonuisraelestado palestinoassembleiaabbas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG