Corpo do líder palestino Yasser Arafat é exumado

Investigação busca descobrir se o líder morto em 2004 foi envenenado por substância altamente radioativa

iG São Paulo |

O corpo do líder palestino Yasser Arafat, morto em 2004, foi exumado nesta terça-feira em Ramallah, na Cisjordânia. Amostras dos restos mortais foram obtidas para determinar se ele foi envenenado .

A operação começou às 5h no horário local (1h de Brasília) na presença de especialistas franceses, suíços e russos, segundo fontes palestinas que pediram anonimato. Poucas horas depois, a exumação foi concluída e o túmulo foi novamente fechado.

Leia também: Arafat pode ter sido envenenado com substância altamente radioativa

AP
Toldos azuis cobrem local onde corpo de Arafat foi exumado em Ramallah

O mufti de Jerusalém, Mohamad Hussein, estava presente na Mukata, quartel-general da Autoridade Palestina em Ramallah, onde está o túmulo de Arafat. "Tinha de estar presente no momento de abertura do túmulo", declarou à AFP.

Diante da Mukata havia uma ambulância estacionada. Vários especialistas com roupas apropriadas entraram no local para a operação. O túmulo ficou atrás de toldos de plástico azul por duas semanas. As peças começaram a ser retiradas após a exumação. 

Uma corte francesa abriu um inquérito em agosto sobre a morte de Arafat depois de um instituto suíço ter descoberto altos níveis de polônio radioativo nas roupas dele, entregues pela viúva, Suha.

A exumação e renovadas acusações de envolvimento de Israel podem aumentar a tensão entre palestinos e israelenses, que estão cumprindo um cessar-fogo após intensas batalhas em Gaza. Qualquer resultado positivo para polônio pode reacender a hostilidade palestina em relação a Israel e as suspeitas de que um colaborador local possa ter envenenado Arafat sob ordens do Estado judaico.

O chefe da comissão investigadora palestina, Taufiq Tiraui, disse que os dirigentes palestinos recorrerão ao Tribunal Penal Internacional (TPI) se as amostras tiradas confirmarem a tese de envenenamento.

AP
Palestina passa por muro com imagem de Arafat em Gaza (25/11)

Acusações de traição sempre estiveram ligadas à morte de Arafat. Ele morreu em um hospital de Paris em novembro de 2004, um mês após ser levado muito doente de Ramallah. Médicos franceses que cuidaram do líder não conseguiram estabelecer a causa da morte e nenhuma biópsia foi realizada, em respeito ao pedido da viúva quando Arafat morreu, aos 75 anos.

Oito anos são o limite para detectar qualquer traço de substância radioativa, de acordo com o Instituto Suíço de Física Radioativa. Os resultados podem demorar meses para sair.

Com Reuters e AFP

    Leia tudo sobre: arafatyasser arafatpalestinosexumaçãooriente médio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG