Os novos cardeais, que estarão no grupo que escolhe o sucessor do papa, são dos EUA, Índia, Nigéria, Filipinas, Líbano e Colômbia; Bento 16 diz que 'Igreja é de todas as pessoas'

Reuters

O papa Bento 16 nomeou neste sábado seis cardeais não europeus, colocando um fim ao domínio do Velho Continente no grupo de elite da Igreja Católica, que um dia escolherá o sucessor dele.

Os novos cardeais, que têm entre 53 e 72 anos, são dos Estados Unidos, Índia, Nigéria, Filipinas, Líbano e Colômbia, e a decisão de não escolher europeus parece uma tentativa de conter as acusações de negligenciar as necessidades dos países em desenvolvimento.

Leia mais:  Ex-mordomo do papa é condenado à prisão por roubo de documentos oficiais

Papa nomeia cardeais neste sábado, na Basílica São Pedro, Vaticano
AP
Papa nomeia cardeais neste sábado, na Basílica São Pedro, Vaticano


Saiba também:  Líbano devia ser modelo para Oriente Médio, diz papa ao visitar país

Nomeando os novos "príncipes" em uma cerimônia solene conhecida como consistório, na Basílica de São Pedro, Bento 16 afirmou que suas indicações refletiam "que a Igreja é a Igreja de todas as pessoas".

"Ela fala em várias culturas de diferentes continentes, ela levanta um único louvor harmonioso ao Deus vivo", disse o papa em seu sermão.

Leia mais:  Papa diz em livro que renunciaria se ficasse incapacitado

Os novos cardeais são o arcebispo norte-americano James Michael Harvey; Baselios Cleemis Thottunkal, um importante arcebispo na Índia; o arcebispo Ruben Salazar Gómez, de Bogotá; o arcebispo Luis Antonio Tagle, de Manila; Bechara Boutros Rai, patriarca da Igreja Católica Maronita no Líbano; e o arcebispo John Olorunfemi Onaiyekan, da Nigéria.

Todos os seis são "cardeais eleitores", que possuem menos de 80 anos e, portanto, estão elegíveis para entrar em um conclave que escolherá o sucessor de Bento 16.

O papa deu aos novos cardeais o anel e o tradicional barrete vermelho, ou chapéu. Ele os lembrou de que vestem vermelho porque devem estar prontos para defender a fé "até mesmo se for preciso derramar o seu sangue".

O papa é conservador em termos de fé e moral sexual, como controle de natalidade, homossexualidade e a proibição de mulheres se tornarem padres. Sempre que nomeia cardeais, ele escolhe homens que tenham visões parecidas com as suas e que possam delinear o futuro da Igreja.

Novo cardeal, da Índia, recebe os cumprimentos de seus colegas após nomeação
AP
Novo cardeal, da Índia, recebe os cumprimentos de seus colegas após nomeação

Os cardeais são os maiores auxiliares do papa no Vaticano, onde eles comandam importantes departamentos, e no mundo, onde chefiam dioceses que administram 1,2 bilhão de membros da Igreja Católica.

Sem europeus

Bento 16 foi criticado em alguns círculos da Igreja em fevereiro quando , ao escolher sua última leva de cardeais, nomeou muitos da burocracia central do Vaticano. Ele foi acusado de negligenciar as necessidades do mundo em desenvolvimento.

Mas desta vez não houve europeus. Com 62 cardeais eleitores, os europeus ainda possuem uma pequena maioria no grupo de 120, mas o número caiu e hoje é quase igual ao do resto do mundo. Agora existem 58 não europeus na lista, 14 deles da América do Norte, 21 da América Latina, 11 para África, 11 para Ásia e um da Austrália.

Dois dos novos cardeais, Boutros Rai, 72 anos, do Líbano, e Onaiyekan, 68, da Nigéria, são de países com significativas populações muçulmanas.

O papa visitou o Líbano em setembro e pediu que os membros do catolicismo e do Islã trabalhassem juntos para construir a paz no Oriente Médio e fora dele.

Na Nigéria, que tem metade da população muçulmana, a seita islamita Boko Haram matou centenas de pessoas em ataques desde o lançamento de uma revolta em 2009. Muitos dos ataques foram contra cristãos e igrejas.

Thottunkal, 53, da Índia, comanda o diálogo inter-religioso com o hinduísmo. Os outros dois vêm de países predominantemente católicos.

Bento 16 nomeou 67, ou mais da metade, dos cardeais que escolherão seu sucessor. Os outros 53 foram empossados ainda por João Paulo 2o.

Os papas geralmente reinam até a morte, mas em um livro em 2010, Bento 16 afirmou que não hesitaria em se tornar o primeiro pontífice a renunciar em mais de 700 anos se sentir que não era mais capaz "física, psicológica ou espiritualmente" de comandar a Igreja Católica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.