Foguete disparado por Gaza mata soldado israelense

Essa é a primeira baixa no Exército de Israel desde que a ofensiva contra a Faixa de Gaza foi lançada; segundo comunicado, soldado tinha 18 anos e foi morto em Eskhol

iG São Paulo | - Atualizada às

O Exército de Israel informou nesta terça-feira (20) que um soldado morreu em decorrência de um disparo de foguete vindo de Gaza contra o sul do país. Em comunicado, o Exército afirma que o soldado, identificado como Yosef Fartuk, 18 anos, foi morto em Eskhol.

Essa foi a primeira baixa no Exército israelense desde que a ofensiva contra a Faixa de Gaza foi lançada na quarta-feira passada.

Leia também:  Negociações para cessar-fogo ainda estão em andamento, diz Israel

Mediador: Ofensiva de Israel contra Gaza deve terminar nesta terça, diz Egito

AP
Soldado israelense sobre um veículo militar enquanto o sol se põe em área próxima a fronteira de Israel com Gaza


7º dia: Israel adia ação terrestre para dar tempo à diplomacia; foguete atinge Jerusalém

Na segunda-feira, o número de mortos no conflito passou de cem . A operação matou até esta terça-feira 133 palestinos, incluindo ao menos 54 civis. Cerca de 840 ficaram feridos, sendo 225 crianças. Do lado de Israel, quatro civis também foram mortos, sendo um nesta terça-feira, vítima do disparo de um foguete, e outros três na quinta-feira .

Segundo a rede britânica BBC, a família do soldado foi notificada.

Diplomacia: Obama envia Hillary ao Oriente Médio para conter crise em Gaza

A violência entre Israel e o Hamas se intensificou no dia 14, após a morte do comandante militar do grupo islâmico Ahmed Jabari , em um ataque aéreo israelense. Israel afirma que a morte de Jabari e o bombardeio a Gaza são respostas aos disparos de foguetes por militantes palestinos contra seu território.

Nesta terça-feira, Israel conduziu alguns ataques e foguetes foram lançados contra Israel, principalmente tendo como alvo o sul do país.

Líder do Hamas: Cabe a Israel iniciar cessar-fogo de conflito

Sob fogo: Brasileiros poderão ser retirados da Faixa de Gaza

Também nesta terça, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, decidiu enviar a secretária de Estado Hillary Clinton , que estava com ele em Phnom Penh (Camboja), a Israel, Egito e Ramallah, em uma iniciativa para tentar conter a escalada da crise.

A viagem de Hillary marca o envolvimento mais forte de Obama no conflito. Apesar de os EUA terem apoiado o direito de defesa de Israel, o governo Obama alertou seu aliado contra engajar-se em uma invasão terrestre que aumentaria ainda mais a violência.

Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: israelataquesagazapalestinahamasfaixa de gazagazasoldado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG