Obama leva elogios e pressão em visita histórica a Mianmar

Durante passagem de seis horas por país asiático, presidente dos EUA se reúne com ícone da democracia Aung San Suu Kyi

Reuters |

Reuters

Barack Obama se tornou nesta segunda-feira o primeiro presidente em exercício dos EUA a visitar Mianmar, tentando equilibrar, durante uma frenética passagem de seis horas, os elogios pelo fim do regime militar e a pressão por mais reformas.

Giro asiático:  Obama visita Tailândia em primeira viagem ao exterior pós-reeleição

AP
O presidente dos EUA, Barack Obama, caminha com a líder da oposição de Mianmar, Aung San Suu Kyi (D), e a secretária de Estado Hilary Clinton

Tailândia: Obama defende direito de defesa de Israel, mas alerta contra invasão terrestre

Nos EUA:  Obama recebe Suu Kyi e derruba parte das sanções contra Mianmar

Obama foi recebido por uma multidão entusiasmada na antiga capital, Yangun, onde se reuniu com o presidente Thein Sein , um ex-membro da junta militar que promove reformas desde sua posse, em março de 2011, e com a líder oposicionista Aung San Suu Kyi.

"Partilhei com ele o fato de que reconheço serem esses apenas os primeiros passos no que será uma longa jornada", disse Obama, ao lado de Thein Sein, após a reunião.

"Mas achamos que um processo de reforma democrática e econômica aqui em Mianmar que foi iniciado pelo presidente pode levar a incríveis oportunidades de desenvolvimento", acrescentou Obama, usando o nome do país adotado pelo governo local, em vez de Birmânia, como é mais comum nos EUA.

Thein Sein respondeu, em birmanês com um tradutor para o inglês, que os dois lados devem avançar "com base na confiança, respeito e entendimento mútuos".

"Durante nossas discussões, também nos pusemos de acordo sobre o desenvolvimento da democracia em Mianmar e para que a promoção dos direitos humanos esteja alinhada aos padrões internacionais", afirmou.

Na ONU: Reformas pró-democracia são 'irreversíveis', diz presidente de Mianmar

A viagem de Obama ao sudeste asiático, menos de duas semanas depois da sua reeleição , pretende mostrar como é sério o chamado "giro asiático" promovido por ele, ao transferir o foco estratégico da política externa dos EUA das guerras do Iraque e Afeganistão para o Oriente, em parte para conter a crescente influência da China.

A visita a Mianmar também dá destaque a algo que a Casa Branca promove como sendo um êxito da política externa de Obama - levar os generais birmaneses a promover mudanças com uma surpreendente rapidez no último ano.

Um dos pontos altos da viagem foi a visita a Suu Kyi, ganhadora do Nobel da Paz, na residência à beira de um lago onde ela passou anos sob prisão domiciliar. Atualmente, ela é deputada .

Falando a jornalistas depois do encontro, Suu Kyi agradeceu a Obama por apoiar o processo de reforma política. Mas, num tom de voz às vezes inaudível, ela alertou que o momento mais difícil é "quando achamos que o sucesso está à vista".

"Então precisamos ser muito cuidadosos para não nos deixarmos seduzir por uma miragem de sucesso, e para trabalharmos na direção do genuíno sucesso do nosso povo."

Obama citou os anos de prisão de Suu Kyi, e disse que ela é "um ícone da democracia, que inspirou pessoas não só neste país, mas no mundo todo".

"O dia de hoje marca o próximo passo em um novo capítulo entre os EUA e a Birmânia", disse. Antes de ir embora, os dois se abraçaram, e ele deu um beijo na face dela.

Antes, Obama fez uma parada fora da agenda no importante templo budista pagode Shwedagona, onde ele e sua comitiva - incluindo a secretária de Estado Hillary Clinton e agentes do serviço secreto - subiram descalços a gigantesca escadaria de pedra.

    Leia tudo sobre: obamaeuamianmarsuu kyiásia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG