Durante julgamento no Reino Unido, vídeo em que Sara Ege confessa ter matado menino de sete anos em 2010

BBC

Yaseen Ali Ege, morto em 2010
BBC
Yaseen Ali Ege, morto em 2010

Uma mulher acusada de espancar o próprio filho até a morte por não conseguir decorar trechos do Corão gravou um vídeo de confissão apresentado perante o júri durante seu julgamento na Grã-Bretanha. Sara Ege, de 33 anos, teria cometido o crime em julho de 2010, e enfrenta a Justiça de Cardiff, capital do País de Gales.

Embora tenha feito confissões em julho de 2010, poucos dias após a tragédia, registradas no vídeo e em outros documentos, ela mudou sua versão e vem negando o crime.

Na gravação de mais de uma hora de duração, ela diz que seu filho, Yaseen Ali Ege, 7, caiu enquanto murmurava trechos do livro sagrado islâmico e afirma ter pensado que ele tivesse adormecido. Sara diz que deixou o filho onde ele estava, sobre um tapete ao lado da cama. "Ele estava respirando como se estivesse dormindo quando o deixei. Ele continuava sussurrando a mesma coisa. Achei que ele só estivesse cansado".

Leia também: 'Era o destino dela morrer assim', diz paquistanesa que jogou ácido na filha

No depoimento, ela diz ter voltado ao quarto do filho dez minutos depois, e que o encontrou tremendo, com calafrios, ainda no chão. E que, logo depois, ele morreu. Surpreendentemente, ela explica no vídeo que sua decisão imediata foi de queimar o corpo e que, para isso, foi até a cozinha para pegar um frasco de álcool em gel usado para churrascos.

O fogo fez com que a polícia acreditasse, inicialmente, na versão de que o menino havia morrido vítima do incêndio. A autópsia, no entanto, revelou que Yaseen já estava morto quando o incêndio começou.

Espancamento

Em outro momento do julgamento, depoimentos da ré prestados em julho de 2010, poucos dias após a tragédia, foram lidos aos jurados, que se mostraram estupefatos diante de algumas declarações. Em alguns trechos, ela confessa que estava fora do controle e que espancou seu filho sem motivos.

O depoimento de uma professora da escola que Yasseen frequentava reforçou a tese de violência recorrente. A professora disse que, certa vez, Yaseen relatou sentir dores na mão e, ao ser questionado sobre o motivo, disse ter apanhado da mãe com uma régua.

A queixa foi repassada à diretora da escola, que teria chamado a mãe do garoto para uma conversa, mas o teor do encontro não foi divulgado. Também não se sabe se a escola informou as autoridades sobre o incidente.

A própria mãe admitiu que as surras eram recorrentes. Ela disse, em um dos depoimentos registrados em 2010, ter prometido a si mesma que não bateria mais na criança - algo que não conseguiu cumprir, voltando a espancar o filho de forma sistemática.

Os presentes no tribunal ficaram chocados quando um policial leu os trechos em que Sara descreve como queimou o corpo do filho. "Na hora eu não estava pensando em nada, eu só estava muito assustada. Era sempre assim, de novo e de novo, quando eu batia no Yaseen com um bastão. Não era minha intenção fazer nada. Eu não posso explicar, eu amava muito o meu filho. Ele era tão comportado, ele nunca, nunca reclamava de nada".

Ela indicou que seus acessos de raiva foram os responsáveis pela tragédia. "Eu culpo a minha raiva. Eu perdi o controle. Não consigo entender o que aconteceu. Não houve intenção de ferir meu filho".

Yusef Ali Ege, de 38 anos, pai do menino, também está sendo julgado por ter causado ou permitido a morte do filho ao não ter protegido a criança.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.