Secretário de Defesa dos EUA apoia general envolvido em escândalo sexual

Panetta alerta para 'conclusões precipitadas' sobre comandante americano no Afeganistão, John Allen, investigado por suposto envolvimento em caso que levou à renúncia de Petraeus

iG São Paulo |

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, alertou para “conclusões precipitadas” sobre as alegações de que o principal comandante americano no Afeganistão, general John Allen, manteve " comunicações inadequadas " com uma das mulher envolvidas no escândalo sexual que causou a renúncia do ex-diretor da CIA David Petraeus.

“Ninguém deve tirar conclusões precipitadas aqui", disse Panetta, durante entrevista coletiva em Perth, na Austrália, quando questionado sobre a possibilidade de Allen ter feito algo errado. “Ele certamente tem minha confiança para liderar nossas tropas e continuar a luta.”

Saiba mais: Vida de amante de Petraeus era voltada para a família, dizem vizinhos

Leia também:  Escândalo Petraeus envolve comandante dos EUA no Afeganistão

AP
O general John Allen, em foto de março de 2012

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ainda não se manifestou publicamente sobre o caso. Mas seu porta-voz, Jay Carney, afirmou que ele tem “confiança” em Allen e está “muito feliz” com seu trabalho no Afeganistão.

Nesta quarta, Panetta se recusou a explicar o conteúdo das mensagens entre Allen e Jill Kelley, uma socialite da Flórida ligada ao escândalo sexual que causou a renúncia de Petraeus como chefe da CIA na semana passada. A investigação que levou à descoberta do escândalo começou com emails agressivos enviados pela amante de Petraeus, a biógrafa Paula Broadwell, para Jill Kelley.

Segundo a AFP, nos emails Paula acusava Jill de flertar com Petraeus. O FBI posteriormente detectou mensagens entre o ex-diretor da CIA e Paula que revelavam o relacionamento extraconjugal.

Panetta afirmou que ordenou a investigação sobre Allen na segunda, um dia depois de o FBI ter apresentado as informações. Allen, que nega ter cometido atos ilícitos, continuará no cargo no Afeganistão, mas Panetta encorajou o Senado a agir rapidamente na aprovação de seu sucessor, o general Joseph Dunford.

Panettta também pediu que a indicação de Allen a dois importantes cargos militares, um na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e outro nas Forças Armadas dos EUA, fossem suspensos temporariamente. Obama concordou com o pedido.

De acordo com a autoridade sênior, 20 mil a 30 mil páginas de emails e outros documentos de Allen com Jill datados de 2010 a 2012 estão sob revisão. Ele não disse se os documentos envolvem questões sexuais ou se incluem revelações não autorizadas de informação secreta. A fonte também afirmou não saber se Petraeus é mencionado nos emails.

Allen, um general de quatro estrelas dos Fuzileiros Navais, sucedeu a Petraeus como principal comandante dos EUA no Afeganistão em julho de 2011.

A queda de Petraeus aconteceu três dias depois da reeleição de Obama e em meio às investigações sobre o trabalho da CIA após o ataque ao Consulado dos EUA em Benghazi (leste da Líbia), que matou o embaixador e três funcionários americanos.

Na semana que vem ele tinha uma aparição marcada diante do Comitê de Inteligência do Congresso para testemunhar sobre o que a CIA sabia antes, durante e depois do ataque. Senadores republicanos e democratas disseram esperar que ele ainda compareça, mesmo após a renúncia.

Com AP e AFP

    Leia tudo sobre: euaallenjohn allendavid petraeusjill kelleypaula broadwellciaafeganistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG