Partido Comunista Chinês encerra congresso que escolherá nova cúpula

Como esperado, Xi Jinping é eleito para o comitê central, que na quinta-feira escolherá membros do Politburo, órgão mais poderoso do país

Reuters |

Reuters

O futuro presidente e o futuro premiê da China iniciaram nesta quarta-feira sua cuidadosamente roteirizada ascensão até o escalão superior do poder, ao serem promovidos ao comitê central do Partido Comunista.

A agência de notícias Xinhua confirmou que o vice-presidente Xi Jinping e o vice-primeiro-ministro Li Keqiang foram eleitos para o comitê ao final do congresso partidário quinquenal, nesta quarta-feira, conforme já era amplamente previsto.

"O congresso elegeu um novo comitê central do partido e substituiu os líderes mais antigos por outros mais jovens", disse o presidente Hu Jintao, que vai deixar o cargo, na cerimônia de encerramento do congresso.

Saiba mais:  Entenda os desafios que aguardam a nova liderança chinesa

AP
Delegado do Partido Comunista Chinês segura cédula de votação durante congresso em Pequim

As mudanças na liderança foram definidas de antemão pelos anciões do partido e por líderes que estão prestes a se aposentar, preocupados em preservar seu poder político e proteger interesses familiares.

Definida a lista, ela é submetida à aprovação dos 2.270 delegados partidários - uma mistura de operários-padrão, executivos de empresas, militares e minorias étnicas em trajes típicos, todos leais ao PC.

O novo comitê central tem 205 membros plenos, e cerca de 170 suplentes. Esse comitê central irá, por sua vez, eleger na quinta-feira um Politburo com cerca de 25 integrantes, e um Comitê Permanente do Politburo, o círculo máximo de poder, que possivelmente será reduzido dos atuais nove para sete integrantes.

Em março, quando o Parlamento se reunir para sua sessão anual, Xi deve ser eleito presidente do país, sucedendo a Hu Jintao. Será então a segunda sucessão ordeira no regime comunista chinês desde sua ascensão, em 1949.

Xi e Li já têm presença assegurada no Comitê Permanente. Wang Qishan, guru financeiro recém-eleito para o Comitê Central de Inspeção Disciplinar, também deve ganhar lugar no Comitê Permanente, como encarregado do combate à corrupção.

Uma questão pendente será respondida na quinta-feira: se Hu continuará exercendo algum poder, caso preserve o cargo de presidente da Comissão Militar Central, órgão decisório das Forças Armadas.

O antecessor de Hu, Jiang Zemin, só entregou esse cargo dois anos depois de transferir o comando do partido a Hu, em 2002.

Todos os outros oito funcionários cotados para o Comitê Permanente conseguiram vaga no Comitê Central. A composição final do Comitê Permanente só será anunciada quando os líderes aparecerem em uma breve cerimônia na quinta-feira no Grande Salão do Povo, em Pequim.

Mais do que qualquer slogan, a composição dos órgãos de elite do partido pode prenunciar a direção política e econômica do país nos próximos anos - mais conservadora ou mais reformista -, quanta influência Hu irá reter e, olhando uma década para frente, quem poderão ser os futuros líderes da China.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG