Paquistão liberta prisioneiros do Taleban como parte de negociações de paz

Medida atende pedido do governo do Afeganistão e é tentativa de fazer avançar diálogo com grupo militante

iG São Paulo |

O Paquistão libertou ao menos sete prisioneiros do Taleban na quarta-feira a pedido do governo do Afeganistão, como parte de uma tentativa de fazer avançar o difícil processo de negociação de paz entre autoridades afegãs e o grupo militante.

Leia também:  Crianças pagam alto preço de conflito com o Taleban no Paquistão

A libertação dos prisioneiros - descritos como combatentes de médio e baixo escalão - é o sinal mais encorajador até agora de que o Paquistão está disposto a desempenhar um papel construtivo nos esforços de paz que fizeram pouco progresso desde que começaram, há quatro anos.

Os Estados Unidos e seus aliados no Afeganistão, que pressionam por um acordo de paz com o Taleban, devem retirar suas tropas do paz até o fim de 2014. O Paquistão é visto como peça-chave no processo, já que muitos líderes do grupo foram para o país após o início da invasão liderada pelos EUA no Afeganistão.

O pedido de libertação dos militantes foi feito pelo chefe do conselho do governo afegão para o diálogo de paz com o Taleban, Salahuddin Rabbani. Ele fez uma visita de três dias a Islamabad, que terminou nesta quarta-feira.

O ex-vice-líder do Taleban, Mullah Abdul Ghani Baradar, capturado no Paquistão em 2010, não está entre os libertados, apesar de o governo do Afeganistão ter pedido sua libertação diversas vezes, por considerado crucial para as negociações.

O Paquistão ajudou o Taleban a tomar o controle no Afeganistão nos anos 1990, fornecendo dinheiro, armas e inteligência. O governo afegão e a Casa Branca já acusaram o oaís de manter tal apoio, uma acusação que Islamabad nega.

O Paquistão tembém se preocupa com a possibilidade de uma instabilidade no Afeganistão após a retirada das tropas, o que poderia causar um intenso fluxo de refugiados e uma onda de violência no país.

Com AP

    Leia tudo sobre: talebanpaquistãoafeganistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG