Governo afirma que país tem capacidade de repelir qualquer ataque contra seu território

O Irã revelou novos sistemas de míssil e artilharia nesta terça-feira, durante o segundo dia de exercícios militares em larga escala . As informações foram divulgadas pela imprensa estatal iraniana. Autoridades ligadas ao governo de Mahmoud Ahmadinejad disseram que as demonstrações - consideradas as maiores na história recente do país - têm como objetivo enviar uma advertência para aqueles que ameaçam a república islâmica.

Em meio a um cenário de alta tensão entre o Irã e países do Ocidente, sobre os Estados Unidos, sobre o programa nuclear comandado por Teerã, as manobras militares realizadas na região oriental do país concentraram-se nas defesas aéreas.

Imagem divulgada pela imprensa estatal iraniana mostra lançamento de míssil durante exercício militar
AP
Imagem divulgada pela imprensa estatal iraniana mostra lançamento de míssil durante exercício militar

Israel ameaçou atacar instalações nucleares iranianas se as sanções ocidentais e a diplomacia não fossem suficientes para obrigar o Irã a interromper seu programa de enriquecimento de urânio. Apesar de Ahmadinejad ter negado diversas vezes, Estados Unidos e Israel aliados acreditam que o programa visa desenvolver uma bomba atômica.

Leia mais: Irã realiza maior exercício militar aéreo de sua história

Os três sistemas de mísseis e artilharia construídos internamente seriam um impulso significativo para a defesa militar do Irã, disse Farzad Esmaili, chefe do quartel-general de defesa aérea do Irã.

"O sistema de mísseis de baixa altitude ‘Ya Zahra 3' é totalmente iraniano e foi projetado e produzido para atender às necessidades internas", afirmou Esmaili, segundo a Agência de Notícias dos Estudantes Iranianos (ISNA).

Ele disse que o segundo sistema de mísseis chamado 'Qader' é altamente móvel e poderia ser implantado em menos de 30 minutos, enquanto um novo sistema de artilharia chamado 'Safat' poderia escapar de ser detectado pela vigilância inimiga.

Especialistas ocidentais dizem que o Irã muitas vezes exagera nas suas capacidades de armas, embora existam preocupações sobre os seus mísseis de maior alcance.

Os exercícios militares acontecem menos de uma semana depois de o Pentágono, dos EUA, afirmar que caças iranianos abriram fogo contra um avião não tripulado dos Estados Unidos sobre águas internacionais no início do mês.

Leia mais: Irã atacou avião não tripulado dos Estados Unidos, revela Pentágono

Testes

Autoridades iranianas ameaçaram atacar bases militares dos EUA na região e atacar Israel se suas instalações nucleares forem atingidas. Teerã frequentemente diz que tem realizado testes com mísseis bem sucedidos.

Em agosto, o Irã informou que testou um míssil de curto alcance chamado Fateh-110, que disse ser capaz de atingir alvos em terra e no mar a uma distância de cerca de 300 km.

Michael Elleman, um especialista em mísseis no Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), afirmou que não poderia avaliar as mais recentes alegações do Irã, mas disse que no passado os militares iranianos modificaram e atualizaram armas adquiridas do exterior e que isso era feito no Irã.

"O Irã tem um histórico de se vangloriar sem fundamentos de suas armas e capacidades nativas", escreveu Elleman em um e-mail à Reuters nesta terça-feira. "O Irã, enquanto se torna cada vez mais capaz na área de engenharia e gestão de programa, está a anos de distância da criação de novos sistemas de defesa aérea por conta própria."

Os mísseis que recebem mais atenção no Ocidente são aqueles com alcances mais longos, incluindo o Shahab-3, com um alcance de 1.300 km, já que eles podem ser capazes de transportar uma carga nuclear, caso o Irã fosse capaz de fabricar uma bomba pequena o suficiente.

Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.