A aeronave foi interceptada no dia 1º de novembro, no espaço aéreo internacional sobre o Golfo, mas não foi derrubada

O Pentágono confirmou nesta quinta-feira que um avião não tripulado dos Estados Unidos foi interceptado na semana passado por dois caças iranianos, que abriram fogo enquanto a aeronave sobrevoava a região do Golfo Pérsico, sem atingi-la. O presidente americano Barack Obama foi avisado sobre o incidente, mas decidiu não revelar as informações para não influenciar nas eleições da última terça-feira.

Leia também: Irã descarta devolver avião não tripulado americano

Foto divulgada pelo Irã mostra suposto avião não-tripulado americano (arquivo)
AP
Foto divulgada pelo Irã mostra suposto avião não-tripulado americano (arquivo)

O drone, como são chamados, realizava uma missão de vigilância "de rotina" a cerca de 100 km da costa iraniana quando os dois Su-25 o interceptaram, em um fato "inédito", segundo Little. Segundo as informações, não foram emitidas mensagens de advertência.

O porta-voz do Pentágono afirmou que o Irã havia sido avisado depois de que essas missões seriam mantidas e que se os Estados Unidos iriam responder se fossem atacados novamente.

"Os Estados Unidos indicaram aos iranianos que continuarão realizando voos de rotina sobre as águas internacionais do Golfo, seguindo uma prática de longa data estabelecida e o nosso compromisso com a segurança na região", declarou.

O Golfo, que afunila no estreito de Ormuz com seu intenso tráfego de navios carregados de petróleo, é uma zona estratégica para os Estados Unidos, que reforçaram a sua presença militar na região devido às tensões suscitadas pelo polêmico programa nucelar iraniano.

O incidente, que ocorreu cinco dias antes da eleição presidencial americana, foi duvulgado apenas nesta quinta.

Com AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.