Em referendo, maioria da população votou pela mudança nas relações com os EUA; alteração do status quo depende do Congresso americano

A maioria dos porto-riquenhos escolheu se tornar o 51º Estado norte-americano, em um referendo realizado na terça-feira (6). A medida, entretanto, requer aprovação no Congresso dos EUA, mas o presidente americano, Barack Obama , já sinalizou que respeitará a votação.

A ilha é atualmente um território dos EUA, que usa o dólar como moeda e cujos cidadãos viajam com passaportes americanos. Entetanto, não tem representação no Congresso e sua presença em Washington é garantida por um delegado que não tem poder de voto.

Leia também: Porto Rico decide se quer se tornar 51º Estado americano

Moradores de San Juan agitam de um carro bandeira de Porto Rico
AP
Moradores de San Juan agitam de um carro bandeira de Porto Rico


O referendo perguntou aos cidadãos da ilha se eles queriam alterar sua relação de 114 anos com os Estados Unidos. Cerca de 54%, ou 922.374, votaram pela mudança, enquanto 46%, ou 786.749, preferiram manter o status quo.

A segunda questão era se eles preferiam tornar Porto Rico um Estado americano (61%), indepenednte (5%), ou ainda uma opção chamada "associação livre soberana" com os EUA, que daria mais autonomia à ilha (33%).

Obama, antes da realização do referendo, expressou apoio à iniciativa e disse que respeitaria o desejo do povo porto-riquenho, no caso de uma clara maioria. Não ficou acertado se o congresso norte-americano debaterá os resultados do referendo, ou se Obama considerará que 54% é uma maioria suficiente.

Reflexos

Em um passeio pela capital, San Juan, o recém-chegado pode ter a impressão de que Porto Rico já é um Estado dos EUA. Porto Rico parece americano em vários detalhes: dos ônibus escolares amarelos à enorme loja de departamentos Macy's. Até mesmo o modelo das placas sinalizadoras nas estradas é o mesmo - com a diferença de que, aqui, as instruções estão em espanhol.

A maior parte da população (cerca de 85%) admite não dominar o inglês, o que faz com que o local soe mais hispânico do que americano. A cultura e as tradições do país também o aproximam mais da América Latina.

Economia

Esta foi a quarta votação do tipo na ilha nos últimos 45 anos. As outras mantiveram o status de Porto Rico. Mas, desta vez, a situação econômica na ilha pode ser um fator decisivo. A recessão foi longa e difícil em Porto Rico. No ano passado, o território tinha uma dívida de US$ 68 bilhões, e a taxa de desemprego é de mais de 13%. Na Plaza de Colón, uma estátua de Cristóvão Colombo fica em frente a um mercado de artesanato.

Perto dali, no Castillo de San Cristóbal, um forte do século 16 construído para proteger San Juan, o vermelho, branco e azul das bandeiras dos EUA e de Porto Rico estão ao lado de uma antiga bandeira naval espanhola. Do lado de dentro, guardas florestais dos EUA recebem os visitantes. O local é patrimônio da humanidade e um símbolo da época em que Porto Rico era colônia, uma situação que, segundo alguns, persiste até hoje.

Com AP e BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.