Uma semana após Sandy, nova tempestade preocupa EUA

De intensidade menor que Sandy, meteorologistas preveem que nova tempestade chegue em Nova York e Nova Jersey com ventos de até 80,4 km/h

iG São Paulo | - Atualizada às

Uma semana após a tempestade Sandy arrasar a costa leste dos Estados Unidos, deixando mortos e desabrigdos em Nova Jersey, Nova York e outras áreas, autoridades começam a se preocupar com a aproximação de uma nova tempestade prevista para quarta-feira.

Apesar de menor que a Sandy, é provável que o novo fenômeno tenha potencial para mais estragos, como falta de eletricidade, chuvas pesadas e fortes ventanias.

Acompanhe: Americanos vão às urnas para escolher novo presidente

Saiba mais: Procuradoria de NY investiga aumento abusivo de preços após Sandy

AP
Guardas passam por casa deteriorada pela tempestade Sandy, em Staten Island, Nova York


Meteorologistas na terça-feira afirmaram que essa nova tempestade seria mais fraca do que se previa, mas os ventos poderiam alcançar velocidades de 80,4 km/h em Nova York e em Nova Jersey na noite de quarta-feira, além de alagamentos. A tempestade Sandy teve ventos de 100 km/h e deixou mais de 100 mortos em dez Estados.

"Não será uma tarefa fácil. Será um dos mais complicados e longos esforços de recuperação na história dos EUA", disse Mark Merritt, presidente da Witt Associates, um empresa de consultoria sobre gerenciamento de crises sediada em Washington.

Leia:  Obama determina uso de reservas para garantir abastecimento de combustível

Devido ao fato de que muitos estão desalojados, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, deu uma ordem executiva nesta terça permitindo que os eleitores votem durante a eleição presidencial dos EUA em qualquer colégio eleitoral. Nova Jersey também tomou medidas neste sentido.

"Queremos que todos votem. Só porque você está desalojado não significa que você deve ser marginalizado", disse Cuomo.

Saiba mais:  Brasileiro está entre as vítimas da tempestade Sandy, diz Itamaraty

Bloomberg:  Prefeito de NY diz que votará em Obama e cita esforços durante Sandy

A ordem de Cuomo pareceu criar confusão entre os mesários , com cédulas de papel e declarações em alguns casos sendo distribuídas aos eleitores que chegavam ao seu local de votação regular, e não apenas para aqueles cujo local de votação regular era outro.

Em um posto de votação montado em uma tenda não aquecida em Rockaways, uma comunidade à beira-mar no bairro Queens, em Nova York, que foi duramente atingida pela Sandy, a votação foi adiada por cerca de meia hora, enquanto mesários tinham dificuldades com os geradores.

A votação na Associação Cristã de Moços (ACM) na West 63rd Street, em Manhattan, foi adiada porque as autoridades eleitorais não conseguiam encontrar as cédulas e os scanners não estavam funcionando corretamente. Entre aqueles que chegavam para votar estava Lloyd Blankfein, presidente-executivo do banco de investimentos Goldman Sachs. Ele saiu antes do início da votação.

Sandy atingiu a costa de Jersey em 29 de outubro como uma rara supertempestade híbrida depois de matar 69 no Caribe e, em seguida, fundir-se com um forte sistema no Atlântico Norte.

A tempestade deixou mais de 100 mortos nos Estados Unidos e Canadá, e milhões sem energia, enquanto inundou cidades costeiras e alagou ruas de Nova York e túneis de metrô.

Cerca de 1,4 milhão de casas e empresas ainda estão sem energia ou aquecimento, enquanto as temperaturas caíram abaixo de zero em grande parte da região durante a noite. Mais de 217 mil se inscreveram para assistência da Agência Federal de Gestão de Emergências e cerca de US$ 199 milhões em ajuda foram fornecidos.

Com AP

    Leia tudo sobre: euasandytempestade sandynova yorknova jersey

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG