Obama e Romney disputam voto a voto eleição acirrada nos EUA

Como votação é definida indiretamente por Colégio Eleitoral, disputa apertada pode terminar como em 2000, quando Bush venceu mesmo sem maioria de votos

Leda Balbino - enviada a Chicago |

Após quase um ano de corrida eleitoral, o presidente americano, o democrata Barack Obama, e o candidato republicano, Mitt Romney, disputam a Casa Branca nesta terça-feira com pesquisas indicando que a votação deve ser uma das mais acirradas da história recente dos EUA.

AP
Democrata Barack Obama e o republicano Mitt Romney no 3º e último debate da eleição presidencial americana (22/10)

Indireta, a eleição americana não é definida pela votação popular nacional, mas por disputas Estado a Estado e seus respectivos votos no Colégio Eleitoral — em que é necessário conquistar 270 dos 538 votos para vencer. Assim, os chamados swing states (Estados-pêndulo, em tradução livre) e seus 5% a 8% de indecisos são cruciais por terem seu resultado indefinido e poderem favorecer qualquer um dos dois candidatos na matemática eleitoral americana.

Leia também: Objetivo de Colégio Eleitoral é equilibrar poder de Estados nos EUA

Na votação desta terça, nove Estados são apontados como determinantes para a vitória: Carolina do Norte, Colorado, Flórida, Iowa, Nevada, New Hampshire, Ohio, Virgínia e Wisconsin, que correspondem a 21% dos quase 230 milhões com idade para votar nos EUA.

A votação só termina oficialmente com o fechamento das urnas no Alasca, às 4 horas do dia 7 no Brasil. Mas, nos três Estados considerados mais cruciais pelo tempo e dinheiro investidos pelos candidatos, todos os votos terão sido depositados até as 23 horas (Brasília) desta terça. A votação na Virgínia (13 votos) termina às 22 horas, em Ohio (18) às 22h30 e na Flórida (29) às 22h.

Enquanto pesquisas nacionais indicam que o democrata e republicano estão tecnicamente empatados, a maioria das sondagens nos swing states — especialmente Iowa (6), Wisconsin (10) e Ohio (18) — mostra Obama com uma pequena vantagem, o que lhe garantiria mais chances de alcançar os 270 votos da vitória. Nenhum republicano conquistou a Casa Branca sem vencer em Ohio.

A eleição está tão apertada que há a possibilidade de uma repetição de 2000, quando o republicano George W. Bush (2001-2009) derrotou o democrata Al Gore ao vencer na Flórida, mas sem obter uma maioria na votação popular.

AP
Presidente Barack Obama e o governador de Nova Jersey, Chris Christie, se encontram em aeroporto

A votação ocorre uma semana após a tempestade Sandy, que atingiu com força de furacão a costa leste dos EUA em 29 de outubro, ter possibilitado a Obama ficar sob os holofotes em seu papel de presidente apesar de ter cancelado eventos de campanha como Romney. A forma como gerenciou a crise lhe rendeu elogios do governador republicano de New Jersey, Chris Christie , e o apoio do prefeito de Nova York, Michael Bloomberg .

De acordo com a Associated Press, cerca de 30 milhões votaram antecipadamente em 34 Estados e na capital Washington, mas as cédulas só serão apuradas nesta terça-feira. Em 25 de outubro, Obama se tornou o primeiro presidente dos EUA a votar antecipadamente , e seu objetivo com o gesto foi estimular o comparecimento eleitoral em um país onde o voto não é obrigatório. Fazer a população dos swing states votar , principalmente os indecisos, é uma das principais metas de Obama e Romney, que contaram em suas estratégias de campanha com um recorde de arrecadação de mais de US$ 2 bilhões .

Visões opostas

Ao depositar seu voto nas urnas, os eleitores estarão escolhendo duas ideias diferentes sobre qual papel o governo federal tem de desempenhar no país. Romney e os republicanos defendem a responsabilidade individual e querem pouca (ou mesmo nenhuma) intervenção governamental na economia e setores relacionados. Obama e os democratas são favoráveis à ideia de responsabilidade social e a um papel maior do governo onde for necessário: nos setores econômicos, na assistência à saúde, no sistema financeiro.

Leia também: Obama e Romney têm receitas diferentes para a prosperidade dos EUA

Essas diferenças, principalmente em como estimular a economia em crise do país, combater o alto desemprego e o enorme déficit federal, ajudaram a definir a campanha. Na questão fiscal, por exemplo, Romney quer estender sem exceção cortes de impostos que estão para expirar, enquanto Obama quer que esse benefício acabe para rendas superiores a US$ 250 mil.

Outros temas predominantes na disputa serão a assistência à saúde e a imigração. Obama é o primeiro presidente negro dos EUA, e Romney seria o primeiro líder mórmom, mas raça e religião não foram amplamente discutidas na campanha.

Veja também: Demografia impõe desafios à estratégia de Obama e Romney

Além da eleição para presidente, os eleitores também renovarão um terço das 100 cadeiras do Senado e toda a Câmara dos Representantes, que tem 435 membros. Segundo média de pesquisas do site Real Clear Politics, os republicanos devem manter o controle da Câmara. Já no Senado, os partidários de Obama devem manter a maioria - mesmo que por uma margem estreita. Se isso for confirmado, a governabilidade será um grande desafio para qualquer um dos candidatos que sair vencedor nas urnas nesta terça.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG