'Era o destino dela morrer assim', diz paquistanesa que jogou ácido na filha

Mãe justifica ataque contra adolescente morta por ter olhado para um menino na Caxemira paquistanesa

iG São Paulo Brasil |

Uma paquistanesa que jogou ácido na filha no Paquistão justificou o ataque dizendo que era o "destino da garota" morrer dessa maneira. Anusha, 16 anos, teve mais de 60% do corpo queimado porque, segundo os pais, olhou para um garoto.

"Ela disse que não tinha feito de propósito, e que não olharia de novo", disse a mãe, Zaheen. "Mas aí eu já tinha jogado o ácido. Era o destino dela morrer dessa maneira".

Segundo a polícia, este é um dos primeiros ataques do tipo na Caxemira paquistanesa, região onde a prática é relativamente rara.

Leia também:  Casal mata filha com ácido para "defender a honra" na Caxemira

Outro caso: Taleban atira em paquistanesa defensora dos direitos das mulheres

Entenda:  Saiba mais sobre as mulheres no mundo árabe e muçulmano

De acordo com a versão do pai, um garoto chegou de moto e Anusha virou-se para olhar para ele duas vezes. "Eu disse a ela para que não fizesse isso, porque era errado. As pessoas falam de nós porque nossa filha mais velha era assim também", afirmou o pai, Muhammad Zafar, que também é acusado de ter espancado a filha e mantido a adolescente isolada por um dia, sem acesso a cuidados médicos.

O pai e mãe foram detidos na semana passada em uma vila remota do distrito de Kotli, na Caxemira paquistanesa (a região é disputada com a Índia e cada país administra uma parte do território).

A Comissão de Direitos Humanos do Paquistão identificou 943 casos de mortes de mulheres por questão de desonra no ano passado. O número representa um aumento de cem ocorrências em relação a 2010. A polícia diz que o incidente começou a ser investigado após uma queixa da irmã mais velha de Anusha.

Com BBC

    Leia tudo sobre: paquistãocaxemiramulheres

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG