Sem maratona, milhares correm em Nova York por caridade a vítimas de Sandy

Alguns corredores organizaram "maratona alternativa" dentro do Central Park, enquanto outros para levar suprimentos às vítimas em Staten Island

AFP |

AFP

AP
Corredores embarcam na barca de Staten Island para levar suprimentos às vítimas da tempestade

Após o cancelamento de última hora da tradicional maratona de Nova York, eixo de uma forte polêmica com a passagem de Sandy pela cidade, milhares de pessoas saíram para correr este domingo a favor de obras de caridade ou para ajudar os afetados pela supertempestade.

Milhares de corredores se encontraram no Central Park, muitos exibindo com orgulho e um pouco de decepção a camiseta oficial da maratona cancelada na sexta-feira (2) à tarde pela prefeitura.

Leia também: Frio aflige vítimas de Sandy a dois dias das eleições nos EUA

 Lugar simbólico onde anualmente 47.000 pessoas do mundo inteiro cruzam a linha de chegada aós percorrer 42,195 km pelas ruas de Nova York, desta vez o Central Park foi usado como ponto de partida de dezenas de corridas organizadas com a ajuda das redes sociais.

"É um ponto de encontro natural", disse Lance Svendsend, coorganizador da "Maratona 2012 Apesar de Tudo".

Depois que o prefeito Michael Bloomberg se viu obrigado a cancelar a maratona devido a críticas daqueles que consideravam manter o evento uma afronta às vítimas da tempestade, Svendsend, morador da vizinha Nova Jersey (leste), recebeu a mensagem de um amigo propondo-lhe correr de qualquer forma.

Veja: Nova York antes e depois da passagem da tempestade Sandy 

Minutos depois, tinha sido criada uma página no Facebook com mais de 2.000 membros.

Para Svendsend, era um desafio tanto esportivo, quanto moral: "Não é mais uma corrida, é sair para correr 42 km", disse, afirmando que o objetivo era "fazer" os quilômetros prometidos àqueles que deram dinheiro aos maratonistas para obras de caridade, uma tradição.

"Arrecadei quase 4.000 dólares na Austrália para a luta contra o câncer. Tinha que correr", afirmou Elise Hinson, vinda de Sidney.

"Cinco, quatro, três, dois, um... Siiiiim!", gritaram, em coro, as pessoas que foram correr, às centenas, sob um céu azul e aplaudidas por um público entusiasmado.

No entanto, alguns sorrisos escondiam a decepção pelo cancelamento da maratona.

Christophe Pujade, francês de 39 anos, estava à beira das lágrimas. "É uma ilusão que desmorona. A maratona de Nova York é o sonho de todo maratonista", afirmou.

Se milhares escolheram correr, outros preferiram reprogramar seu domingo para participar de atividades de ajuda às vítimas de Sandy.

Centenas de pessoas com esta intenção se reuniram em Staten Island, ilha ao sul de Manhattan muito afetada pela tempestade, para ajudar nos trabalhos de reconstrução e distribuição de roupas e provisões.

Outros cederam seus quartos de hotel e ofereceram dinheiro a pessoas que perderam as casas ou continuavam sem eletricidade seis dias depois da passagem de Sandy pela cidade.

    Leia tudo sobre: euaclimafuracãomaratona

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG