Citando conflitos, governo dos EUA renova sanções de 15 anos contra Sudão

Presidente Barack Obama assinou ordem executiva nesta sexta-feira e pediu o fim da crise humanitária na região de Darfour

iG São Paulo |

O governo dos Estados Unidos, com o aval do presidente Barack Obama, renovou as sanções aplicadas há 15 anos ao Sudão, reconhecendo que Cartum resolveu suas diferenças com o Sudão do Sul, mas alertando que a crise humanitária em Darfur e outros conflitos no país permanecem sérios obstáculos à normalização dos laços, afirmou o Departamento de Estado nesta sexta-feira.

Veja também: Irã envia navios guerra ao Sudão após suposto bombardeio de Israel

O conflito em curso no sul do Kordofan, no Nilo Azul e em Darfour continuam a ameaçar a estabilidade regional. Segundo o comunicado, essas localidades são palcos agressões aos direitos individuais. O relatório cita também a falta de ajuda humanitária e a crise de alimentos.

AP
O presidente do Sudão, Omar al-Bashir, caminha ao lado do iraniano Mahmoud Ahmadinejad: aliança que preocupa os EUA(arquivo)

Obama assinou a ordem executiva na sexta-feira, que mantém vários conjuntos de sanções que foram impostas desde 1997 e que restringem comércio com os EUA e investimentos no país africano, além de bloquear bens do governo e de alguns funcionários do Sudão.

Centenas de milhares de pessoas fugiram de suas casas desde o início dos confrontos entre forças do governo e rebeldes do Movimento de Libertação Popular do Sudão-Norte se iniciou há mais de um ano.

Irã

Há menos de uma semana, o governo iraniano enviou navios de guerra ao Sudão  após um ataque supostamente atribuído a Israel ter destruído uma fábrica de armamentos no país do oeste da África na semana passada. De acordo com a imprensa estatal iraniana, a força naval atracou no Sudão com uma "mensagem de paz e segurança aos países vizinhos".

O Sudão tem sua costa voltada para o mar Vermelho, um importante canal de navegação comercial que interliga a região com o mar Mediterrâneo por meio do canal de Suez. Os navios deixaram o Irã ainda em setembro, rumo a águas internacionais, e o governo os enviou ao Sudão seis dias após explosões terem destruído uma fábrica de armamentos em Cartum, capital sudanesa.

Acredita-se que a fábrica seja operada pela Guarda Revolucionária Iraniana e produza armamentos para o Hamas, movimento radical islâmico que governa a Faixa de Gaza desde 2007.

O país africano fez uma reclamação oficial à Nações Unidas dizendo que as explosões foram causadas por ataques aéreos perpetrados por Israel. O governo israelense não negou nem confirmou as acusações.

    Leia tudo sobre: euasudãoirãisraelsanções econômicas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG