Ministros franceses fazem 'aula contra machismo'

Por iniciativa de chefe do Ministério de Direitos das Mulheres, autoridades aprendem sobre linguagem inadequada, estereótipos e como evitar gafes

iG São Paulo |

AFP
Najat Vallaud-Belkacem, chefe do Ministério de Direitos das Mulheres da França

Ministros do novo governo socialista da França estão comparecendo a um curso antissexismo com aulas sobre linguagem inadequada e estereotipada e dicas para evitar gafes.

As aulas de uma hora de duração, que também abrangem a disparidade salarial e violência doméstica, foram ideia de Najat Vallaud-Belkacem, chefe do recriado Ministério de Direitos das Mulheres e também porta-voz oficial do governo.

Leia também: França terá 17 mulheres entre 34 ministros

As sessões são parte de um esforço para eliminar o machismo na política. O presidente socialista François Hollande tem procurado estabelecer um novo tom. O mesmo número de mulheres e homens foram nomeados para cargos de ministros, pela primeira vez na história da França.

Alegações sobre a conduta do político socialista e ex-chefe do FMI, Dominique Strauss-Kahn, foram o pontapé inicial para um debate sobre o tema na França no ano passado. Ele estava a poucos dias de anunciar que iria concorrer à presidência francesa quando a polícia o prendeu, em Nova York, depois que uma empregada de hotel alegou que ele havia tentado estuprá-la. Promotores de Nova York depois retiraram as acusações.

Assobios no Parlamento para uma ministra do novo governo aumentaram a preocupações de que alguma orientação era necessária. "Os ministros adoraram", disse uma fonte do governo sobre o curso. "Eles estão vindo com ideias sobre como podem colocá-las em prática."

Doze ministros já estiveram presentes, incluindo o chanceler Laurent Fabius e o ministro das Finanças, Pierre Moscovici, e mais 26 inscreveram-se.

"Para aqueles que já estão cientes destas questões, é bom ouvi-las novamente. Para aqueles que não são, é especialmente útil", disse uma fonte próxima a Moscovici, um ex-aliado de Strauss-Kahn.

Com Reuters

    Leia tudo sobre: machismofrançahollande

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG