Embaixadora do Equador diz que Assange "está bem de saúde e de ânimo"

Governo do Reino Unido estuda salvo conduto para que fundador Wikileaks possa ser enviado a um hospital para avaliação

iG São Paulo |

"Julian Assange está bem de saúde e de ânimo", garantiu nesta sexta-feira a embaixadora do Equador em Londres, Ana Albán. Ela revelou que um médico visita regularmente o fundador do Wikileaks na representação sul-americana onde está refugiado.

Em entrevista à Agência Efe, a diplomata esclareceu que o salvo-conduto que o Equador pediu ao Reino Unido para que o famoso hacker deixe a embaixada para ser hospitalizado "é simplesmente uma medida preventiva".

AP
Assange, fundador do WikiLeaks, faz 1ª pronunciamento da sacada da Embaixada do Equador em Londres (arquivo)

"O senhor Assange está bem. Tem 41 anos e parece que teve uma vida saudável antes de entrar na embaixada. Temos um médico que lhe visita regularmente, duas vezes ao mês, e o submeteram a uma análise de sangue. Em termos gerais está tudo bem", afirmou Ana Albán.

Com estas palavras a embaixadora esclareceu as dúvidas sobre o estado de saúde do australiano depois que o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, assegurou na quarta-feira que "é absolutamente natural que a saúde de uma pessoa seja afetada se você não pode sair de um escritório durante muito tempo".

Neste sentido, Ana, que convive com o fundador do Wikileaks há mais de quatro meses na pequena sede da embaixada equatoriana, destacou que Assange, "como qualquer pessoa, pode cair no chuveiro e quebrar um osso ou ter uma crise de apendicites".

Durante uma reunião no dia 27 de setembro em Nova York, o chanceler equatoriano propôs ao ministro das Relações Exteriores britânico, William Hague, a concessão de um salvo-conduto em caso de necessidade de hospitalização de Assange, algo que o Reino Unido disse que estudaria.

Ana Albán considera normal que o Equador se preocupe com o estado de saúde de seu hóspede, levando em conta que está há meses sem sair da embaixada, sem ver o sol, e com um espaço vital limitado a 200 metros quadrados, algo que considerou "completamente estressante".

Perguntada por sintomas de depressão no hacker, a embaixadora respondeu de maneira taxativa que "não, de nenhuma maneira". "Sua dieta se baseia principalmente em peixe e fruta. Não gosta de frituras", contou a embaixadora, que revelou que o fundador do Wikileaks faz exercícios em seu quarto para manter-se em forma.

A dinâmica da embaixada mudou muito desde que Assange se refugiou nela, já que, além dos numerosos policiais britânicos que rodeiam o edifício, o hacker recebe muitas visitas e segue gerando muita atenção midiática. "Não é que tudo seja normal, mas podemos dizer que de certo modo já nos acostumamos. Uma situação estranha se tornou habitual", explicou a responsável desta embaixada, visitada recentemente pela cantora Lady Gaga, a estilista Vivianne Westwood e a artista Yoko Ono.

"Procuro manter-me à margem, quero respeitar a intimidade tanto de Assange como de seus convidados. Mas, às vezes, como aconteceu ontem com o ator John Cusack, me junto a eles e tomamos um café", reconheceu.

O fundador do Wikileaks pediu asilo ao país sul-americano para evitar sua extradição a Suécia, onde é acusado de supostos delitos sexuais que ele nega. "Podemos dizer que as coisas estão mais calmas. Há menos agentes na porta e não voltou a haver ameaças que entrariam na embaixada", comentou Ana Albán, que, no entanto, revelou que a polícia instalou um caminhão com antenas na porta da legação sul-americana no luxuoso bairro de Kesington.

A embaixadora, que aposta na negociação e acredita que a solução será buscar "fórmulas imaginativas", espera que haja avanços no final de ano, uma vez passadas as eleições dos Estados Unidos, no próximo dia 6 de novembro.

Com EFE

    Leia tudo sobre: R.UNIDO ASSANGE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG