Governo da Síria anuncia cessar-fogo de quatro dias durante festa muçulmana

Combatentes leais ao presidente Bashar Al-Assad disseram, no entanto, que responderiam a "ataques de terroristas ou forças estrangeiras"

iG São Paulo |

O exército da Síria afirmou nesta quinta-feira que concordou com o plano de quatro dias de trégua durante o tradicional feriado muçulmano de Eid al-Adha. Em um comunicado transmitido pela televisão estatal, forças leais ao presidente Bashar Al-Assad afirmaram que o cessar-fogo será quebrado em caso de ataques iniciados pelos rebeldes classificados como "terroristas".

Leia também: Especial do iG sobre as revoltas no mundo árabe

O acordo foi anunciado ontem pelo mediador internacional Lakhdar Brahimi. Porém, o enviado da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe para o país disse que ainda aguardava uma resposta oficial da cúpula militar da Síria.

AP
Rebelde é visto em combate na quarta-feira, na cidade de Aleppo: exército da Síria anunciou cessar-fogo

Com o anúncio, espera-se que o governo e os rebeldes iniciem um diálogo que leve ao fim da guerra civil que dura mais de 12 meses e que já deixou ao menos 35 mil vítimas.

Eid al-Adha, conhecido como o Festival do Sacrifício, celebra a disposição de Abraão de sacrificar seu filho, Ismael, como prova de obediência a Deus. De acordo com Lakhdar Brahimi, a trégua deve começar na sexta-feira e durar quatro dias. Rebeldes tinham lhe dito que, se o governo aceitasse o cessar-fogo, eles também aceitariam.

Os comandantes do exército sírio, no entanto, deixaram claro que irão responder aos ataques perpretados pelos rebeldes considerados "terroristas". "Vamos responder com fogo a qualquer ofensiva imposta por grupos terroristas ou combatentes vindos de outros países", dizia o comunicado oficial.

A decisão foi tomada em um momento crucial da batalha entre rebeldes e forças ligadas ao presidente Assad. Ativistas afirmaram nesta quinta-feira que grupos rebeldes conseguiram tomar posições importantes no centro de Aleppo, a maior cidade da Síria e palco de combates sangrentos.

Embora a maioria dos grupos rebeldes disse que aceitaria o cessar-fogo de quatro dias para o período do Eid al-Adha, a Frente Al Nusra anunciou, por exemplo, que não respeitará o acordo, quebrado em outras oportunidades. "Não há trégua entre nós e esse regime descarado, que derrama sangue de muçulmano e viola sua honra. Entre nós e ele, só existe uma espada", ressaltou a rede tida como terrorista pelo presidente Bashar Al-Assad, em comunicado.

Nos últimos meses, a Frente Al Nusra, que surgiu durante o conflito sírio, assumiu a autoria de inúmeros atentados suicidas cometidos em Damasco e na cidade nortista de Aleppo.

Com BBC e AP

    Leia tudo sobre: síriatréguacessar-fogobashar al-assadlakhdar brahimi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG