Em tribunal, Berlusconi nega sexo com menor e 'bunga-bunga' em mansão

Em declaração espontânea que não tem valor de testemunho, ex-premiê italiano afirma que festas em sua casa em Arcore nunca tiveram 'cenas sexuais'

iG São Paulo |

O ex-premiê italiano Silvio Berlusconi compareceu a uma audiência judicial nesta sexta-feira, na qual negou ter feito sexo com uma menor de idade e disse que as festas em sua mansão em Arcore não eram "sexuais". 

O Tribunal de Milão acusa Berlusconi de prostituição de menores por supostamente ter pago para ter relações sexuais com uma garota de programa marroquina que na época era menor de idade, e de abusar do poder para tirá-la da prisão após ser detida por um roubo. O caso ficou conhecido como Rubygate , pelo fato de a marroquina Karima el-Mahroug se identificar como Ruby.

Leia também: Berlusconi só precisa ficar um dia da semana sem sexo, diz médico

AP
O ex-premiê italiano, Silvio Berlusconi, chega a tribunal de Milão para audiência na qual negou ter feito sexo com menor de idade (19/10)

"Nunca tive relações íntimas com ela. Nunca exerci pressões sobre os funcionários da prefeitura de polícia de Milão (para tirar a jovem da prisão)", disse Berlusconi, de 76 anos, durante uma "declaração espontânea", prática da justiça italiana que não tem o mesmo peso de um testemunho.

A marroquina, que também nega ter tido relações sexuais com Berlusconi, disse a juízes milaneses em depoimento que em 2009 esteve várias vezes na residência do premiê em Arcore, juntamente com outras jovens, para a "brincadeira" do "bunga-bunga". Segundo Ruby, o estilo de festa é africano e teria sido aprendido pelo premiê com o ex-líder líbio Muamar Kadafi , que gostava de fazê-lo em seu harém. No "bunga-bunga" as moças tiram a roupa, dançam, se beijam e tomam banho para ‘divertir’ um grupo de convidados.

Berlusconi, porém, negou qualquer "cena de sexo" em suas festas.

"A expressão bunga-bunga vem de uma piada que contei muitas vezes e que foi usada com malícia pela mídia", afirmou, dizendo que seus filhos adultos participaram das reuniões em várias ocasiões. "Durante estas noites, eu monopolizava a atenção falando de política, de futebol, de fofocas e me divertia fazendo brincadeiras ou cantando as canções do meu repertório juvenil", acrescentou.

Berlusconi também falou sobre a ligação que fez na noite do dia 27 de maio de 2010 para uma delegacia de Milão, onde Ruby estava detida acusada de roubo. O ex-premiê voltou a dizer que, naquele momento, pensava que Ruby era a sobrinha do então presidente egípcio Hosni Mubarak e que interveio para "evitar um incidente internacional".

O ex-primeiro-ministro assegurou ter ficado surpresa quando a assessora regional Nicole Minetti , acusada de recrutar garotas de programa para Berlusconi em um julgamento paralelo, comentou que Ruby não era egípcia mas marroquina e, além disso, era menor de idade. "Todos achavam que ela era maior de idade, não só porque dizia que tinha 24 anos, mas também por seu aspecto físico e seu comportamento", afirmou.

Esse é um dos três julgamentos em que o empresário e ex-premiê é atualmente réu. Os outros dois se relacionam à fraude fiscal e à violação de segredos oficiais, enquanto no início deste ano uma corte italiana descartou um quarto caso vinculado a alegações de suborno. Berlusconi renunciou em novembro de 2011 em meio a preocupações sobre a economia da Itália.

Com AP e EFE

    Leia tudo sobre: itáliaberlusconicaso rubyrubygaterubyescândalo sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG