Tribunal americano anula condenação de ex-motorista de Bin Laden

Salim Hamdan havia sido condenado por ter dado apoio logístico para a prática de atos terroristas entre 1997 e 2001

iG São Paulo |

Um tribunal dos Estados Unidos anulou a condenação de Salim Hamdan, antigo motorista de Osama Bin Laden, acusado de ter dado apoio logístico para a prática de atos terroristas. Hamdan cumpriu sete anos de prisão em Guantánamo depois de ter sido capturado pelo exército americano no Afeganistão em 2001.

Acusado de ajudar membros da Al-Qaeda entre o período de 1997 a 2001, Hamdan foi o primeiro prisioneiro de Guantánamo a cumprir uma sentença imposta por uma comissão específica das Forças Armadas dos Estados Unidos para tratar de questões relacionadas ao terrorismo. Ele passou 66 meses na prisão por ter conspirado com militantes terroristas e foi libertado no Iêmen.

Segundo a Corte do Distrito de Columbia, que anulou a decisão por 3 votos a 0, o governo americano não apresentou motivos suficientes julgá-lo de acordo com leis internacionais. A acusação de "apoio para a prática de atos terroristas" é comum entre os prisioneiros de Guantánamo, mas não pode ser julgada com base na legislação mundial para crimes de guerra, como queria o exército dos Estados Unidos.

Segundo analistas, o caso de Salim Hamdan pode ser utilizado como base para outros julgamentos envolvendos prisioneiros de Guantánamo acusados do mesmo crime.

Em uma audiência realizada em um tribunal militar em 2008, após cumprir pena de 66 meses, Hamdan admitiu que havia trabalhado para o líder da Al-Qaeda, entre 1997 e 2001, por 200 dólares por mês (cerca de R$ 390 mensais). Porém, ele diz que desconhecia as atividades terroristas em que Bin Laden estava envolvido. 

Os promotores do caso, por outro lado, afirmam que Hamdan transportava armas para o grupo terrorista e trabalhava como guarda-costas de Bin Laden.

    Leia tudo sobre: al-qaedaguantánamobin ladeneuaterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG