Sonar do Concordia estava desligado antes do acidente, dizem testemunhas

O capitão da embarcação na época, Francesco Schettino, é acusado do homicídio de 32 pessoas, de provocar um naufrágio e de abandonar o navio

Reuters |

Reuters

Um aparelho que monitora a profundidade da água havia sido desligado antes de o navio de cruzeiro Costa Concordia atingir uma pedra e afundar na costa italiana, em janeiro, disseram testemunhas em uma audiência pré-julgamento nesta terça-feira.

AP
Francesco Schettino é julgado pelo assassinato de 32 pessoas a bordo do navio Concordia (15/10)

O capitão do Concordia, Francesco Schettino, é acusado do homicídio de 32 pessoas, de provocar um naufrágio e de abandonar o navio. Ele admitiu cometer erros, mas alega que não deve ser o único culpado.

A operadora do navio, a Costa Cruzeiros, uma unidade da norte-americana Carnival Corp, colocou a culpa em Schettino e disse que nada discutido na audiência pré-julgamento até agora diz respeito à sua própria organização.

Um painel de peritos judiciais afirmou na audiência que o aparelho sonar estava desligado no momento do naufrágio, de acordo com pessoas presentes à audiência, que foi fechada ao público.

O acidente provocou uma saída noturna caótica de mais de 4 mil passageiros e tripulantes na costa rochosa da ilha toscana de Giglio. Trinta corpos foram recuperados dos destroços e outras duas pessoas permanecem desaparecidas.

A Costa Cruzeiros disse na audiência que o navio tinha sido equipado com mais sistemas de radar do que o necessário, e que um número suficiente deles estava em operação para atender aos requisitos legais.

O Codacons, um grupo de direitos do consumidor que está envolvido no caso, afirmou que eram necessárias mais informações sobre o estado do equipamento do navio antes do desastre.

"Todos esses aspectos, se estivessem funcionais, poderiam eventualmente ter compensado os efeitos negativos das ações do capitão Schettino e ajudado a evitar a perda de vidas humanas, mesmo que o navio tivesse afundado de qualquer jeito", disse Giuliano Leuzzi, um advogado do Codacons.

O navio ficou de lado, equilibrado sobre uma prateleira rochosa em plena vista do porto. Centenas de mergulhadores de salvamento e engenheiros começaram a delicada operação de preparar o casco para a remoção.

A audiência pré-julgamento vai decidir se as acusações contra Schettino solicitadas pelo Ministério Público devem ser mantidas ou não, e se o caso vai a julgamento completo, esperado para o próximo ano.

    Leia tudo sobre: MUNDOITALIACONCORDIASONAR

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG