Shimon Peres disse para Patriota que espera que Brasil boicote futuros encontros com Ahmadinejad

Shimon Peres pede que Brasil não promova encontros com Ahmadinejad
Getty Images
Shimon Peres pede que Brasil não promova encontros com Ahmadinejad

O presidente de Israel, Shimon Peres, pediu neste domingo (17) ao Brasil que boicote o presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad.

"Nós esperamos que o Brasil boicote futuros encontros com Ahmadinejad", afirmou Peres ao ministro das Relações Exteriores Antonio Patriota, segundo um comunicado oficial.

Em 2010, o então presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva teve uma reunião com Ahmadinejad e ajudou a obter um acordo segundo o qual o Irã entregaria parte do estoque de urânio levemente enriquecido na Turquia em troca de material enriquecido de maneira suficiente para uso médico, mas não para fins militares.

Israel criticou o acordo imediatamente.

Leia mais: Ataque aéreo de Israel fere dois militantes palestinos na Faixa de Gaza

"Quando nos encontramos em 2010, eu afirmei ao ex-presidente Lula que era um erro sentar e conversar com Ahmadinejad, um líder que ameaça com a destruição de um povo, um líder que nega o Holocausto e um líder que apoia o terrorismo internacional", disse Peres a Patriota.

O chanceler brasileiro respondeu que estava presente no encontro com Ahmadinejad em Teerã e que Lula deixou claro que não aceitava a negação do Holocausto e que acredita na paz e em um Oriente Médio livre de armas nucleares.

Israel e as potências ocidentais acreditam que o Irã tenta produzir armamento nuclear sob a fachada de um programa civil, o que Teerã nega.

Leia também: Ahmadinejad culpa Estados Unidos pela forte queda de moeda iraniana

"Não se enganem, o Irã está desenvolvendo armas nucleares. A ameaça nuclear iraniana ameaça com uma sombra pesada toda a região", afirmou Peres a Patriota.

De acordo com o comunicado, Patriota afirmou a Peres que o "Brasil vê com grande preocupação as ameaças de Israel de atacar o Irã" e que "as ameaças e suas potenciais futuras consequências são perigosas para a estabilidade do Oriente Médio".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.