Presidente venezuelano divulgou mudanças em seu governo após vários integrantes de seu gabinete anunciarem que vão participar das eleições regionais em dezembro

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, comemora vitória em Caracas (7/10)
Reuters
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, comemora vitória em Caracas (7/10)

O presidente da Venezuela , Hugo Chávez , nomeou pelo Twitter seis novos ministros. Na semana passada, ele foi reeleito para mais um mandato de seis anos com a promessa de aprofundar sua revolução socialista.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre a Venezuela 

"Bom dia, mundo bom! Informo: nomeei como novo ministro de Relações Interiores e Justiça o general Néstor Reverol! Eficiência!!!", escreveu Chávez em sua conta @chavezcandanga.

Também pelo Twitter foram nomeados Cristóbal Francisco, para o ministério do Ambiente, Aloha Núñez para Povos indígenas, Juan Carlos Loyo para Agricultura e Terras, Carmen Meléndez para o gabinete da Presidência e Ernesto Villegas para a pasta de Comunicação e Informação.

No domingo passado, segundo o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Chávez obteve 54,42% dos votos, enquanto seu principal adversário, Henrique Capriles , conquistou 44,97%.

Esta semana, alguns membros do gabinete de Chávez se inscreveram candidatos a governadores pelo governista Partido Socialista Unido da Venezuela para as eleições regionais de 16 de dezembro.

Hugo Chávez, manteve Nicolás Maduro à frente do Ministério das Relações Exteriores, um cargo que dividirá com sua recém nomeação como vice-presidente executivo do país e acumulando os dois cargos de maior importância do Gabinete venezuelano.

Veja também:
Relembre a trajetória política de Hugo Chávez
Saiba mais sobre Capriles, rival de Chávez
Programas sociais garantem popularidade de Chávez
Veja o especial do iG sobre Venezuela

No ato de juramento de novos ministros que Chávez liderou neste sábado no palácio presidencial de Miraflores, finalmente se informou que Maduro vai continuar sendo o chanceler do país, um cargo que ocupa desde agosto de 2006.

(Com informações da EFE) 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.