Capitão do Costa Concordia quer recuperar emprego após naufrágio

Francesco Schettino, investigado por acidente que deixou 32 mortos na Itália, entra com processo contra empresa Costa Cruzeiros, que o demitiu

iG São Paulo |

Francesco Schettino, o capitão do navio Costa Concordia, que naufragou em janeiro na Itália, entrou com um processo contra a companhia Costa Cruzeiros para recuperar seu emprego. Ele foi demitido em julho e atualmente é investigado pelo acidente, que deixou 32 mortos.

Leia também: Capitão do Concordia pede perdão e se define como 'vítima do sistema'

AP
Francisco Schettino, em entrevista à TV italiana (arquivo)

Schettino afirmou ter salvado vidas na noite do desastre ao fazer uma manobra para que o navio naufragasse perto da Ilha de Giglio, e não no meio do oceano, no momento em que água começou a entrar no casco.

Em seu processo, Schettino exige ser recolocado em seu posto e o pagamento de salários atrasados. Em comunicado, a Costa Cruzeiros disse que "concluiu o processo disciplinar contra Schettino, após o naufrágio do Concordia, e decidiu por sua demissão".

Naufrágio na Itália: Saiba o que aconteceu com o Costa Concordia

Após uma série de audiências técnicas agendadas para a próxima semana no tribunal de Grosseto, Toscana, Schettino deve ser julgado ao lado de oito outros executivos e funcionários da empresa.

O navio de 114.500 toneladas encalhou nas rochas perto da ilha de Giglio, na noite de 13 de janeiro, com 4.229 passageiros a bordo. Os investigadores querem saber o motivo de o navio estar navegando tão perto da ilha e em alta velocidade e de o procedimento de retirada de passageiros ter sido iniciado uma hora após a colisão.

Com AFP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG